ESCOLA DE BRUXAS (Texto de Teatro)

ESCOLA DE BRUXAS
De: Marcondys França
Inspirada na obra: "a bruxa que era boa"

PERSONAGENS:
BRUXINHA ANGÉLICA (A bruxinha boa)
BRUXINHA MALIGNA (A pior de todas)
BRUXINHA MALEFICA
BRUXINHA HORRENDA
BRUXINHA FEDELHA
BRUXA- INSTRUTORA
BRUXO CAPETÃO QUINTO (Mestre dos Bruxos)
CONDE DO MAL
ZEZINHO (Menino)
FADA BELA
DUENDE DUDA

CENÁRIO ÚNICO: UMA FLORESTA

(Entram todas as bruxas montadas em vassouras se posicionam no palco em seguida entra Bruxa Instrutora com um apita e as bruxinhas começam a cavalgar em torno da cena, sempre montadas em suas vassouras. A bruxa chefe torna a apitar; elas param.
A última bruxinha da fila é diferente das outras. De baixo da roupa de bruxa, percebe seus cabelos louros e com um rostinho angelical: É a bruxinha Angélica. Voa com grande prazer na sua vassoura e monta com elegância, enquanto as outras voam como verdadeiras bruxas; gargalhadas e movimentos bruscos).

CENA I
BRUXA- INSTRUTORA: - Estão aqui todas as candidatas? Perfeitas! Quase todas... Bruxinha Angélica, você é mesmo um fracasso. Seu riso não era um riso de bruxa e muito menos de feiticeira. Assim você não passará no exame final. Agora vamos praticar o segundo ponto: gargalhada de bruxa. Uma de cada vez!
(Apita. Todas capricham, uma por vez, Angélica que apenas rir sem maldade alguma)
BRUXA- INSTRUTORA: - Bruxinha Angélica você é a única que não estava bem. Aprenda a gargalhar com as outras. Maligna, ria de novo mostre a Bruxinha angélica como se deve rir uma verdadeira bruxa.
MALIGNA: - (Rir horrivelmente feio)
BRUXA- INSTRUTORA: - Muito mal! Assim que se deve ser! Bruxinha Maligna continua a primeira da classe... Passemos ao terceiro ponto: Feitiçarias antigas e modernas. Peguem seus caldeirões e o livro de feitiços e vamos ver se aprenderam as principais bruxarias. E o que prepararam de cruel para me mostrar. (Todas vão buscar ingredientes para seu feitiço. Voltam e fazem suas misturas em ritmo apenas Angélica pica tranquilamente verduras).
BRUXA- INSTRUTORA: - (Nervosa apita) Bruxinha Angélica, se continuar assim, terá que ser mandada, presa para a torre de piche. Você quer ir pra lá?
ANGÉLICA: - Não! Querida e adorável Bruxa-Chefe...
TODAS: - Oh!
BRUXA- INSTRUTORA: - Querida e adorável?
TODAS: - Eca!
MALIGNA: - Terrível e magnânima mestra castigue-a.
MALEFICA: - Jogue-a no lamaçal de enxofre.
ANGÉLICA: - Prometo melhorar...
BRUXA- INSTRUTORA: - Que foi que disse?
ANGÉLICA: - Quero dizer piorar.
BRUXA- INSTRUTORA: - E muito! Então trate de aprender as bruxarias direitinho para se tornar uma bruxa de verdade. (Ouve-se uma corneta. Todas ficam alvoroçadas)
TODAS: - O Bruxo!
BRUXA- INSTRUTORA: - (Emocionada) Bruxinhas, alertas! Logo o Bruxo Mestre Capetão Quinto Vossa Ruindade Suprema virá para o exame final. Ordeno a todas que não me envergonhem. É preciso mostrar a Vossa Ruindade Suprema que vocês estão aptas. Todas já sabem que aquela que passar em primeiro lugar ganhará ganhara a varinha de condon que foi roubada da Fada Madrinha e também a vassoura a jato que um dia pertenceu a cruel Madrasta Má!
TODAS: - Oh!
BRUXA- INSTRUTORA: - (Percebendo que o Bruxo se aproxima) Silêncio!
As bruxinhas formam fila. Entra Conde do mal.

CENA II
CONDE DO MAL: - Vossa Ruindade Maior o Grande e Magnífico Mestre de Todos os Bruxos o Bruxo Capetão Quinto!
(Faz sinal para que o Conde do Mal saia. O Conde do Mal volta com o trono que é colocado no meio do palco. O Bruxo espirra, é saudado com palmas pelas bruxinhas).
BRUXA- INSTRUTORA: - Que detestável e nublado dia! Carregado de nuvens e trovões! Sua Ruindade Maior podemos começar o exame final? (Faz sinal para o Conde do Mal e lhe diz algo ao pé do ouvido. O conde transmite um sinal de consentimento)
BRUXA- INSTRUTORA: - Senhor Bruxo Capetão Quinto, único senhor desta floresta, rei de todas as feiticeiras, imperador das maldades... Imperador de todas as maldades... Imperado...
(Todas ficam aflitas parece que a Bruxa Mestra esqueceu. O Vice lhe fala ao ouvido)
BRUXA- INSTRUTORA: - (Com ênfase maior) Ditador de toda crueldades, Guardião dos malefícios. Assombração das selvas escuras... As meninas estão prontas para o grande exame final e esperam a vossa aprovação para merecerem a varinha de condon que foi cruelmente seqüestrada da fada madrinha e também da vassoura a jato que pertenceu a grande e malvada madrasta má assim como o título de bruxas-feiticeiras de primeira classe.
BRUXO: - Agora chega Bruxa-Instrutora. (Se levanta) Odiadas bruxinhas recrutas. É com grande insatisfação que faço este exame. Como já devem saber, a floresta já esta cheia de fadas, risos e crianças remelentas alegres brincando por toda parte. É preciso acabar com isso. Estamos precisando formar grandes feiticeiras para que possamos dominar o mundo. Bem sabem que há muitas falsas feiticeiras por ai... Precisamos de gente ruim de verdade. Temos que acabar com os passeios alegres pela floresta e com essa baboseira de preservação da natureza. Vocês serão encarregadas de destruir a floresta e botar pra correr esses tais protetores da natureza, roubar doces das criancinhas inocentes, calar de uma vez por todas esses pássaros irritantes, sujar a água das fontes, poluir os rios e o mar, causar queimadas nas florestas. E não se esqueçam: sobre tudo tapear as fadas! Quero causar a destruição através do desequilíbrio ecológico, com enxurradas, secas, furacões, tufões e terremotos. Pra isso conto com vocês. Vamos dar uma bela lição nessa tal de Mãe Natureza! (Senta no trono. As bruxinhas o aplaudem, menos Angélica) Vamos começar o exame. Venha você. (Aponta para Maligna que retira do caldeirão um papel passa para o Conde e o mesmo passa para a Bruxa Instrutora)
BRUXA- INSTRUTORA: - Quinto ponto: Adormecer moços.
MALÍGNA: - Essa é fácil! (Com desenvoltura faz uma espécie de dança dizendo palavras em bruxês acompanhada de uma sonoplastia)
BRUXO: - Muito bem. Agora algumas perguntas: quem descobriu a receita do remédio de fazer adormecer?
MALIGNA: - Foi o senhor.
BRUXO: - Muito bem. Quem foi o primeiro bruxo do mundo a atravessar a floresta em vassoura a jato e quem foi que mentiu, trapaceou e enrolou a Madrasta Má?
MALIGNA: - Foi o senhor.
BRUXO: - Muito bem! Essa bruxinha é muito sabida.
BRUXA- INSTRUTORA: - É a primeira da classe, Sua Ruindade.
BRUXO: - Está se vendo. Agora a última pergunta: quem foi o primeiro bruxo a expulsar todas as fadas, a assombrar criancinhas e convencer aos desavisados a poluir os rios, causar queimadas e destruir a floresta?
MALÍGNA: - Foi o Senhor.
BRUXO: - Quem é o único protetor e amigo de todas as maldades?
MALÍGNA: - É o Senhor.
BRUXO: - Muito bem! Muitíssimo bem! E ainda uma pergunta para ver se você é mesmo má. Quais as duas coisas mais importantes do mundo?
MALIGNA: - Fazer maldades e obedecer ao Senhor, é claro!
BRUXO: - Esplendido! Colossal! Quanta inteligência! Com bruxinhas como você a maldade está salva no mundo... Vamos para próxima. Você ai. (Aponta para Angelica) Por que os cabelos desta bruxa são tão esquisitos?
BRUXA- INSTRUTORA: - Nasceu assim, Sua Ruindade.
BRUXO: - Muito estranho isso. É preciso pintá-los com suco de asas de urubu cansado.
BRUXA- INSTRUTORA: - (Toma nota) Sim, Rua Ruindade.
BRUXO: - Tire o ponto. (Mesmo ritual, porém sonoplastia de balé)
TODOS: - AH! (Cara de nojos)
BRUXA- INSTRUTORA: - Cavalgada em vassoura: segundo ponto.
ÂNGELA: - Que bom! Que bom! Que bom!
BRUXO: - Porque essa alegria?
BRUXA- INSTRUTORA: - É a única coisa que gosta de fazer. Cavalgar em vassoura! (Angélica cavalga em sua vassoura dando gritinhos de prazer)
BRUXO: - Isto são maneiras de bruxa se comportar em cima de uma vassoura? Mostre como se faz Bruxa- Instrutora. (Demonstra com gritos feios) Muito bem! Você ainda está em forma, heim, minha velha? (Dá tapinha nas costas) Venha aqui bruxinha. Deixa eu te examinar de perto. Muito estranho este caso... Está bruxinha é muito esquisita...
CONDE DO MAL: - Esquisitíssima!
BRUXO: - Acompanhe meus movimentos... (Angélica tenta acompanhar mais sem sucesso) Horrível! Vamos as perguntas. Talvez assim ela possa se salvar. Quem descobriu o Brasil?
ANGELICA: - Pedro Álvares Cabral.
TODAS: - OH!
BRUXO: - (Ofendido) Então você não sabe que antes do português desembarcar aqui eu, o bruxo Supremo, a maior de todas as Ruindades já habitava esta floresta?
ANGELICA: - Ah!... É mesmo... É que eu pensava que...
HORRENDA: - Você é mesmo um desastre!
FEDELHA: - Não duvido nada que seja reprovada.
BRUXO: - (Interrompendo) Qual a melhor coisa do mundo? (As outras bruxinhas aflitas fazem sinal que sabem)
ANGELICA: - Deve ser andar de vassoura a jato, lá por cima, no céu, perto das árvores maiores...
TODAS: - OH!
BRUXO: - Você sabe o que acontece para quem não passa no exame?
ANGELICA: - Sei sim Senhor...
BRUXO: - E o que é?
ANGELICA: - Ficar presa na torre de piche por toda eternidade.
CODE DO MAL: - Ao menos uma resposta certa!
BRUXO: - E agora vamos a ultima pergunta. Como é que se prepara bruxaria de fazer dormir humanos?
HORENDA: - Eu sei!
FEDELHA: - Eu respondo...
BRUXO: - A esquisita responde.
AGELICA: - (Procura recordar) Bom... Bem... Põem-se num caldeirão três folhas de Lírios, dois litros de água de rosas...
TODAS: - Água de rosas?
ANGELICA: - De rosas não, de maracujá dormido. Depois uma pitada de alecrim, meia dúzia cravos da índia e um pouco de pétalas de violetas...
BRUXO: - Pétala de violetas! Você é a pior aluna que já passou por esta escola. Hoje à noite terás a última oportunidade. Se falhar, será presa na torre de piche e lá passará toda eternidade. Todas estão convocadas a fazer sua primeira grande maldade esta noite. Meninas não me desapontem! (Todas aplaudem menos Angélica)
CONDE DO MAL: - Mestre! Faltam ainda algumas bruxinhas a fazer os exames.
BRUXO: - As outras... Examinarei amanhã. Fiquei de mau humor. Agora tenho que ir jantar na casa de um ogro aliado meu... Tratem de ser bem ruins se quiserem ser aprovadas no exame final. E você, bruxinha Angélica, se até a meia-noite não fizer uma maldade será enviada para a torre de piche...
(O bruxo monta sua vassoura que o Conde vai buscar e sai acompanhado por todas as bruxinhas)
TODOS: (CANTANDO) - Pela floresta eu vôo, eu vou sozinha, voando em minha vassourinha. Eu sou muito má, vou te assustar, sou uma bruxinha...
(Saem de Cena)

CENA III
FADA BELA: - Duda? Duda!
DUENDE DUDA: - Que foi fada Bela?
FADA BELA: - Não percebe o perigo que estamos correndo?
DUENDE DUDA: - Somos tão poderosos quanto aquela corja!
FADA BELA: - Não devemos subestimá-los.
DUENDE DUDA: - Somos do bem!
FADA BELA: - O bem esta ameaçado, se não agir-mos o quanto antes a floresta será destruída.
DUENDE DUDA: - E o que vamos fazer?
FADA BELA: - Tenho um plano para parar as maldades do bruxo Capetão e todos seus aliados...
DUENDE DUDA: - É? O que pensa em fazer?
FADA BELA: - Sei que é um pouco arriscado... Mas, não vejo outra alternativa.
DUENDE DUDA: - Para impedir essa legião de malvados dependendo do que seja vale apena tentar.
FADA BELA: - Pra seguir enfrente com esse plano vamos precisar de ajuda.
DUENDE DUDA: - Que tipo de ajuda?
FADA BELA: - É ai que está.
DUENDE DUDA: - Ih! Sei não...
FADA BELA: - Vamos precisar de um humano para nos ajudar.
DUENDE DUDA: - Por que um humano? Bem sabe que aparecer para um humano é muito arriscado. E como sabe se é confiável?
FADA BELA: - Lembra-se da flauta mágica?
DUENDE DUDA: - Claro.
FADA BELA: - Então... Se tocada por um humano de coração puro e bondoso com a canção certa. Os poderes do mal serão paralisados para sempre.
DUENDE DUDA: - São três requisitos difíceis. Um coração puro, bondoso e ainda que saiba tocar flauta.
FADA BELA: - Temos uma missão. E não nos dariam essa missão se não pudéssemos cumprir.
DUENDE DUDA: - E onde está esta flauta?
FADA BELA: - Aqui esta. Há séculos esta guardada sobre nossa proteção. É chegada a hora. Agora vá e encontre um humano que tenha estas qualidades.
DUENDE DUDA: - Lá vou eu! Fui! (Sai)

CENA IV
(Entra Zezinho carregando lenhas e cantando feliz)
ZEZINHO: - Preciso descansar um pouco! Estas lenhas estão pesando muito. Mas, tenho lenha para dois dias, meus pais ficarão felizes. (Tira uma flautinha do bolso e senta-se) Que tal uma música? (Toca) Estou ficando tonto! Que estranho! De repente me bateu um sono... (Começa a adormecer. Aparecem às bruxinhas, fazendo bolhas de sabão)
DUENDE DUDA: - Esse humano deve se encaixar nos requisitos! E se contar que toca divinamente bem... Opa! Preciso me esconder.
ANGÉLICA: - Dormiu!
HORRENDA: - A bruxaria deu certo!
FEDELHA: - Dorme que nem um pateta! Ah! Ah!Ah!
ANGÉLICA: - Olhem... Está acordando! Que bonito ele é.
MALEFICA: - Então joga mais pó de dormideira. Anda Bruxinha Angélica, e deixa de bobagem! (Angélica joga pó de dormideira)
MALIGNA: - (Joga mais pó) Agora o pirralho dormiu mesmo.
ANGÉLICA: - Tadinho! (Ângela ajeita a cabeça de Pedrinho)
HORRENDA: - O que é que você esta fazendo Bruxinha Angélica?
FEDELHA: - Que esta fazendo?
ANGÉLICA: - É pra ele não se machucar.
MALIGNA: - Deixa de ser boa bruxinha Angélica. Vai passar o resto da eternidade na torre de piche?
ANGÉLICA: - Não!
MALEFICA: - Se continuar assim vai passar a eternidade trancada na torre de piche. Bruxinha Fedelha que maldades vamos fazer agora?
FEDELHA: - Cada qual fará a sua. Eu vou poluir a floresta. Você Malígna vai desaparecer com o chapéu e o casaco desse menino. E você bruxinha Angélica vai amarrar os braços e as pernas desse fedelho.
HORRENDA: - Ah! Vamos botar fogo na casa dele enquanto você bruxinha Ângela sopra em cima dele pra ele não acordar... E se acordar, bate na cabeça dele com bastante força com este porrete. Depois pega a sua vassoura e vá nos ajudar.
MALÉFICA: - Por que não bater nele agora? Que acham meninas?
FEDELHA: - Agora não. Este é um trabalho da bruxinha Angélica. Ela que tem que fazer isso. Ordens do Bruxo!
MALIGNA: - Vamos meninas! (Pra Angélica) E trate de andar depressa senão o Bruxo vem e é você que vai pra Torre de Piche.

CENA V
(Saem. Zezinho começa a acordar, Angélica tenta fazê-lo dormir sem muita convicção)
ZEZINHO: - Bruxa! Feiticeira! Malvada! Roubou a minha lenha! Pensa que tenho medo de você? Covarde! Diga, anda, onde esta minha lenha?
ANGELICA: - Elas levaram.
ZEZINHO: - Quem?
ANGÉLICA: - As outras. Uma delas irá ganhar a vassoura a jato e passear por ai por cima das árvores. (Suspira) Eu queria tanto ganhar a vassoura a jato!
ZEZINHO: - E eu com isso? Só quero minhas coisas!
ANGÉLICA: - Sinto muito!
ZEZINHO: - E meu chapéu?
ANGÉLICA: - Ah, também levaram...
PEDRINHO: - Quem?
ANGÉLICA: - As outras. São más.
ZEZINHO: - E levou pra onde?
ANGÉLICA: - Não sei.
ZEZINHO: - Sabe sim, deixa de ser mentirosa, bruxa malvada. Se não me disser onde está a minha lenha eu te quebro a cabeça...
ANGÉLICA: - (Chora)
ZEZINHO: - Xiiiiii! Nunca vi bruxa chorar. Você não tem vergonha?
ANGÉLICA: - Tenho sim...
ZEZINHO: - Também nunca vi feiticeira de cabelos amarelos. Que bruxa mais esquisita. E por que você está chorando?
ANGÉLICA: - Por que eu queria ganhar vassoura a jato para passear por cima das árvores.
ZEZINHO: - Mas quem é que vai dar essa vassoura a jato?
ÂNGELA: - O Bruxo Capetão Quinto!
ZEZINHO: - Capetão quinto? O bruxo mais malvado desta floresta?
ANGÉLICA: - Este mesmo. Ele que fez é responsável por toda magia negra existente nesta floresta. Foi ele quem descobriu o Brasil.
ZEZINHO: - Ah, isso não! Quem descobriu o Brasil foi Pedro Álvares Cabral...
ANGÉLICA: - Também acreditava nisto. Mais o Bruxo disse que foi ele próprio.
ZEZINHO: - Além de ruim, é mentiroso...
ANGÉLICA: - Claro! Ele é bruxo. Jamais diria a verdade.
ZEZINHO: - É isso mesmo. Ele nem sabe o que é verdade. Por que você não vai ganhar a vassoura a jato?
ANGÉLICA: - Por que a Bruxa-Chefe...
ZEZINHO: - E que é a Bruxa-Chefe?
ANGELICA: - É a instrutora. Disse que sou esquisita, só por que não sei fazer maldades.
ZEZINHO: - Quem sabe você não é bruxa...
ANGELICA: - O que?
ZEZINHO: - Quem sabe você não é uma fada...
ANGÉLICA: - Ah, isso não! Fada não gosta de voar em vassoura a jato como eu gosto...
ZEZINHO: - Para gostar de voar de vassoura a jato não precisa ser bruxa. Até eu gostaria de dar uma voltinha...
ANGÉLICA: - Então quem sabe você não é um bruxo disfarçado?
ZEZINHO: - Ah, isso não! Também não gosto de fazer maldades.
ANGÉLICA: - Tá certo! Malígna sim é bruxa. É ela que vai ganhar a vassoura a jato. (Lembra) Ela vai colocar fogo na sua casa!
ZEZINHO: - O quê?
ANGÉLICA: - Ela e as outras bruxas.
ZEZINHO: - Que horror! Isso é terrível! Minha mãe e meu pai estão lá dentro... Eles são tão pobres e não tem outra casa pra morar... E agora?
ANGÉLICA: - Temos que impedir.
ZEZINHO: - Vou correndo...
ANGÉLICA: - Como você se chama?
ZEZINHO: - Zezinho.
ANGÉLICA: - Zezinho!
ZEZINHO: - Preciso ir.
ANGÉLICA: - Toma! Leva minha vassourinha. Montado nela você chega mais rápido.
ZEZINHO: - Você vai me emprestar?
ANGÉLICA: - Claro!
PEDRINHO: - Obrigado.
ANGÉLICA: -: - Adeus Zezinho! A vassourinha não corre muito mais serve. (Ele sai) Agora preciso fazer uma maldade ou...

CENA VI
DUENDE DUDA: - Bela! Bela!
FADA BELA: - que foi duende Duda?
DUENDE DUDA: - Já sei quem poderá nos ajudar a neutralizar os poderes do Bruxo Capetão Quinto!
FADA BELA: - Já sabe?
DUENDE DUDA: - É sei.
FADA BELA: - Quem?
DUENDE DUDA: - Tem um menino...
FADA BELA: - Um menino? Mais como um menino poderá nos ajudar?
DUENDE DUDA: - Não é um simples menino. É especial...
FADA BELA: - Especial?
DUENDE DUDA: - Sim. Tem todos os requisitos... Tem um coração puro e bondoso.
FADA BELA: - Só isso não basta. Pra neutralizar os poderes dos bruxos tem...
DUENDE DUDA: - Que saber tocar flauta. E sabe.
FADA BELA: - Sabe?
DUENDE DUDA: - Sabe.
FADA BELA: - Então se tocar a flauta mágica neutraliza todos os bruxos.
DUENDE DUDA: - É isso!
FADA BELA: - E como sabemos se irá topar? S e estiver enganado? Não podemos nos expor!
DUENDE DUDA: - Se é para salvar a floresta vale apena arriscar.
FADA BELA: - Tem razão! Vamos...
DUENDE DUDA: - A família dele corre perigo.
FADA BELA: - Está ai uma boa oportunidade.
DUENDE DUDA: - Então vamos... (Saem)
CENA VII
(Entram as outras Bruxinhas)
ANGÉLICA: - Me dá uma caroninha na tua vassoura bruxinha Fedelha. É que emprestei a minha.
FEDELHA: - Bruxinha boboca, isso não me importa!
ANGÉLICA: - Por favor!
MALÉFICA: - Quem mandou emprestar!
ANGELICA: - Não seja egoísta!
FEDELHA: - Sai pra lá. (Entra a Bruxa-Instrutora)
BRUXA- INSTRUTORA: - Silêncio! Forma de ferradura.
CONDE DO MAL: - Vossa Ruindade Maior o Bruxo Capetão Quinto o máximo!
BRUXO: - Estou muito zangado! Zangadíssimo! Zangadérrimo! Bruxinha Angélica! Eu vi tudo através do espelho mágico!
ANGÉLICA: - Sinto muito!
TODAS: - Oh!
BRUXO: - Cale-se! Você não cumpriu com minhas ordens!
CONDE DO MAL: - Você fez alguma maldade? Adormeceu algum humano distraído? Ah não responde! E sua vassoura, Onde esta? Não responde. É o que pensei...
BRUXO: - O que diz em sua defesa?
VICE-BRUXO: - Vi através do espelho mágico tudo que aconteceu. Magnânimo mestre. Esta bruxa que aqui está nos envergonhou. Emprestou sua vassoura a um humano xexelento!
TODAS: - OH!
BRUXO: - Sabe o que acontece com as bruxas que desobedecem a Sua Ruindade Suprema?
TODAS: - A Torre de Piche!
BRUXO: - E pra quem empresta a sua vassoura a um menino?
TODAS: - A Torre de Piche!
BRUXO: - As que não conseguem fazer maldades?
TODAS: - A Torre de Piche!
VICE-BRUXO: - Vossa Ruindade Maior... Está bruxinha esquisita não é como as outras. Já deu provas que não pode fazer parte do grupo. Atrapalhou as outras bruxinhas a completarem suas tarefas de maldades. Por isso, como provas concretas, peço a o senhor que é o senhor do mal que a castigue com o castigo maior.
TODAS: - Castigue-a!
BRUXO: - Bruxa-Instrutora... Traga a chave do cadeado. Bruxinha Angélica, esta condenada por toda eternidade a viver na Torre de Piche. Você Maléfica ficará encarregada de vigiar a Torre de Piche. Já quanto à vassoura a jato. Maligna, por suas ruindades prestadas a classe de bruxos, você ganhará a varinha de condon que foi roubada da fada madrinha e a vassoura a jato!
TODAS: - Ah! (Vaiam)
BRUXO: - Quanto a vocês... Continue Vice-Bruxo.
VICE-BRUXO: - Se continuarem assim... Com exceção da bruxinha Angélica, também ganharão a sua vassoura a jato.
BRUXA- INSTRUTORA: - Aqui está Maléfica a chave. Não deixe ninguém se aproximar da Torre. Angélica, entregue seu chapéu de bruxa. Bruxinha Fedelha e Bruxinha Horenda, leve-a para torre.
HORRENDA: - Pode deixar!
MALIGNA: - Garanto que ela será bem guardada. Ah! Ah! Ah! (Guarda na cintura)
VICE-BRUXO: - As outras bruxinhas ficarão vigiando a floresta. Muito cuidado com a música. Lembrem-se há uma música que pode eliminar o feitiço e transformar feiticeiras em pó. E agora Bruxinhas... Quem é o maior Bruxo do mundo?
TODAS: - Vossa Ruindade Suprema o Bruxo Capetão Quinto!
VICE-BRUXO: - Ótimo!
BRUXO: - Agora preciso visitar meu aliado o Ogro. Preciso unir todas as forças do mal para enfim dominar o mundo (Sai)
MALIGNA: - Bruxa-Chefe?
BRUXA- INSTRUTORA: - O que é Malígna?
MALÍGNA: - Quando é que vou ganhar a varinha de condon e minha vassoura a jato?
BRUXA- INSTRUTORA: - Só o Bruxo sabe. Vá até a casa do Ogro e pergunte a ele.
MALÍGNA: - Mas quem vai ficar tomando conta da bruxinha Ângela?
BRUXA- INSTRUTORA: - Quem ainda não tem trabalho pra esta noite?
HORRENDA: - Eu não tenho.
BRUXA- INSTRUTORA: - Então você vai ficar tomando conta da bruxinha Ângela na Torre de Piche. (Dá um apito e sai com as outras) Mas aviso. É uma tarefa de muita responsabilidade.
HORRENDA: - Prometo não falhar.
BRUXA- INSTRUTORA: - Sendo assim. É confiado a você esta tarefa Bruxinha Horrenda. (Saem todas Fica só Horrenda e Angélica)

CENA VIII
(Ângela esta na torre só é vista pela pequena janela. Pedrinho com uma atiradeira joga pedrinhas para chamar a atenção)
ANGÉLICA: - Bruxinha Horrenda!
HORRENDA: - O que é?
ANGÉLICA: - Estou com sede.
HORRENDA: - E eu com isso!
ANGÉLICA: - Quer que eu morra de sede?
HORRENDA: - Tanto faz! Problema seu.
ANGÉLICA: - Se eu morre de sede o Bruxo te prende nesta Torre por toda eternidade.
HORRENDA: - Quem disse?
ANGÉLICA: - Ele disse que eu tinha que ficar aqui por toda eternidade. Mas se você não me der água morro antes. E o Bruxo ficará muito zangado.
HORRENDA: - Tem razão. Vou buscar água no rio.
ANGÉLICA: - O rio foi envenenado pela Bruxinha Maléfica. É melhor ir buscar na fonte.
HORRENDA: - Tá certo. Já volto. Não tente nada. Não se esqueça que a chave está com a Bruxinha Malígna. (Monta na vassoura e sai)

CENA IX
ZEZINHO: - Preciso devolver esta vassoura a Angélica!
DUENDE DUDA: - Hei! Psiu!
ZEZINHO: - Alto lá...
DUENDE DUDA: - Hei, calma!
ZEZINHO: - Quem é você?
FADA BELA: - Ele é o Duende Duda...
ZEZINHO: - Duende?
FADA BELA: - Não precisa ter medo. E eu sou a Fada bela.
ZEZINHO: - Afastem-se!
FADA BELA: - Calma!
DUENDE DUDA: - Não vamos lhe fazer nenhum mal.
FADA BELA: - Somos do bem.
DUENDE DUDA: - Fomos nós que lhe ajudamos a apagar o fogo.
ZEZINHO: - Por isso que senti que um milagre aconteceu!
FADA BELA: - Você tem um coração bondoso e foi merecedor de nossa ajuda.
PEDRINHO: - Não posso acreditar! Primeiro as bruxas! Agora fada e duende!
FADA BELA: - Sei que é difícil de acreditar! Mas existimos. Precisamos de sua ajuda.
ZEZINHO: - Minha ajuda? Mas como posso ajudar?
FADA BELA: - A derrotar o Bruxo Capetão Quinto.
ZEZINHO: - Mas como?
DUENDE DUDA: - Sabemos que você toca flauta...
ZEZINHO: - Não entendo...
FADA BELA: - Eu explico. Só há um jeito de derrotar os poderes do Bruxo Capetão Quinto e sua legião. Um humano com o coração puro e bondoso Tocará a flauta mágica e isto neutralizará os poderes do mal.
DUENDE DUDA: - E você tem todos os requisitos.
ZEZINHO: - Flauta mágica!
DUENDE DUDA: - Sim.
FADA BELA: - Aqui está. (Pega um pergaminho) E esta é a música deve ser tocada.
DUENDE DUDA: - Pode nos ajudar?
ZEZINHO: - Acho que sim.
FADA BELA: - Angélica não é uma bruxa. Foi seqüestrada quando bebê por Capetão Quinto e desde então vive na escuridão.
ZEZINHO: - Bem que eu desconfiava! Podem contar comigo.
FADA BELA: - Zezinho mesmo que a distância nós estaremos lhe ajudando. Agora vá. E não esqueça: Toque a música!
DUENDE DUDA: - Ouça teu coração! Boa sorte! (Saem os dois fica Zezinho)

CENA X
ANGÉLICA: - Zezinho! Estou presa.
ZEZINHO: - Quem te prendeu?
ANGÉLICA: - O Bruxo.
ZEZINHO: - Trouxe sua vassourinha...
ANGÉLICA: - Você chegou a tempo?
ZEZINHO: - Cheguei. A malvada só conseguiu por fogo no galinheiro. Joguei tanta pedra nela que ela teve que fugir.
ANGÉLICA: - Foi ela que ganhou a varinha de condon e vassoura a jato. Já eu tenho que passar toda eternidade presa aqui.
ZEZINHO: - Isso é terrível!
ANGÉLICA: - Tudo porque não consigo fazer o mal.
ZEZINHO: - Não é justo!
ANGÉLICA: - Já fui julgada e condenada. Este é meu fim.
ZEZINHO: - Posso te tirar daí.
ANGÉLICA: - Mas como?
ZEZINHO: - Posso pegar a chave.
ANGÉLICA: - Não! A Bruxinha Horrenda é má. Vai lhe transformar num sapo.
ZEZINHO: - Isso é o que veremos.
ANGÉLICA: - Admiro sua coragem!
ZEZINHO: - Você é boa. (Pega uma flor) Pra você.
ANGÉLICA: - É linda Zezinho!
ZEZINHO: - É pra você não se sentir sozinha. Espera... (Pega aflauta) Posso tocar uma música.
ANGÉLICA: - Espera.
ZEZINHO: - Que foi?
ANGÉLICA: - A música.
ZEZINHO: - Que tem a música?
ANGÉLICA: - O único jeito que existe contra a bruxaria... Só que quase ninguém sabe tocar essa música.
ZEZINHO: - Eu sei sei.
ANGÉLICA: - Sabe?
ZEZINHO: - Sim... Angélica preciso lhe falar algo.
ANGÉLICA: Essa música destruirá toda legião de bruxos da floresta.
PEDRINHO: - Não consigo me mexer... Minhas pernas estão pesadas... (Entra Horrenda em sua vassoura)
HORRENDA: - Ah! Ah! Ah!
ANGÉLICA: - Cuidado Pedrinho!
HORRENDA: - Então é você? O menino xexelento que nos jogou pedras hein?! Agora foge... Anda... Quero só ver. Você vai virar mingau menino! Ah! Ah! Ah!
MALÉFICA: - Que esta acontecendo aqui?
MALÍGNA: - Será castigada. Abandonou seu posto.
HORRENDA: - Não é por que ganhou uma vassoura a jato que pode gritar comigo.
MALÍGNA: - Sou a primeira da classe. Sendo assim posso tudo.
HORRENDA: - Ah é?
MALÍGNA: - É.
HORERENDA: - Veremos. (Se agarram. Pedrinho aproveita e rouba a vassoura a jato)
MALÉFICA: - Porrada! Porrada!
ANGÉLICA: Foge Zezinho!
ZEZINHO: - Volto pra te ajudar!
MALÍGNA: - Tá vendo... A culpa é sua.
HORRENDA: - É tua. Idiota!
MALÉFICA: - Xi!
HORRENDA: - Não foi a minha vassoura a jato que ele roubou.
MALIGNA: - Por tua culpa.
MALÉFICA: - Vou contar tudo ao bruxo!
MALIGNA: - Ah não vai não...
HORRENDA: - Pode deixar que eu conto!

CENA XI
(Entra a Bruxa-Intrutora)
BRUXA- INSTRUTORA: - O que está acontecendo aqui? Parem já com isso. (Apita) Agora chega.
MALIGNA: - Estávamos praticando algumas maldades...
HORRENDA: - Sabe como é... Se não praticar agente enferruja.
BRUXA- INSTRUTORA: - Que ótimo estão cada dia mais malvadas! Agora peguem suas vassouras. Malígna você vai na frente com sua vassoura a jato.
MALIGNA: - Vou na da bruxinha Angélica.
BRUXA- INSTRUTORA: - Por que não na sua?
HORRENDA: - Ai tem! Vamos Malígna explique-se. Estamos esperando.
BRUXA- INSTRUTORA: - Malígna?
MALIGNA: - É que a minha vassoura a jato precisa de ajuste, estava falhando.
MALÉFICA: - Ah, que pena! Queríamos tanto vê-la voando.
HORRENDA: - Só quero ver por quanto tempo vai conseguir enganar a todos.
(Todas montam em suas vassouras quando ouve uma música. Todas andam em câmera lenta até vira estátuas)
ZEZIINHO: - Estão todas durinhas feito pedras!
ANGÉLICA: - Que bom Zezinho! Você conseguiu. Mas como?
ZEZIINHO: - Que bom que consegui tocar a música a tempo!
ANGÉLICA: - Depressa Zezinho! Tire a chave do bolso da Maligna.
ZEZIINHO: - Pronto! Agora vamos sair daqui...
ANGÉLICA: - Vamos fugir na vassoura a jato! Você é muito bacana Pedrinho! Mas como conseguiu?
ZEZIINHO: - Tive ajuda. Você é boa tem um bom coração. Por isso tinha certesa que você não é uma bruxa. Você é uma fada.
ANGÉLICA: - Não entendo. Do que está falando?
ZEZIINHO: - É uma longa história... (Ouve-se uma gargalhada do Bruxo)
ANGÉLICA: - É o Bruxo. Vamos nos esconder. Vem...
BRUXO: - Mais o que houve aqui? (Olha a Torre) Então aquela bruxinha pentelha fugiu? Mas como? Vice-Bruxo? Vamos iniciar o ritual para desfazer o feitiço que pedrificou as bruxas.
ANGÉLICA: - Toque Pedrinho! Toque!
BRUXO: - Maldição! Que música é esta? É uma flauta! Vice-Bruxo o apto... (Vice-Bruxo apita) Vamos bruxas peguem suas vassouras e fujam antes que seja tarde demais. (Em câmera lenta todos são sugados para a torre) Nós voltaremos! Isto não vai ficar assim... A floresta é minha! Minha!
ZEZIINHO: - Pronto! Fecha a porta Angélica. Agora vocês seus malvados passarão toda eternidade ai trancados nesta torre. Quanto à floresta? Será de novo dos pássaros e de todos os animais a quem ela realmente pertence. Agora será protegida pelas fadas. (Cantos de pássaros)
ANGÉLICA: - A floresta agora está livre da maldade. Todos poderão apreciar a beleza da natureza.
ZEZIINHO: - Isto é seu.
ANGÉLICA: - A vassoura a jato.
ZEZIINHO: - Do alto você poderá apreciar toda floresta. Há o que eu queria lhe dizer...

CENA XII
DUENDE DUDA: - Pode deixar Zezinho...
ANGÉLICA: - Vocês são...
FADA BELA: - Sim, ele é um duende e eu uma fada. Agora é chegado o momento de saber toda verdade. Não é atoa que você é diferente de todas as outras Bruxinhas. É que você não é uma bruxa.
ANGÉLICA: - Não sou?
DUENDE DUDA: - Não é.
FADA BELA: - Quando ainda era um bebê você foi tirada de nós por este cruel e malvado Bruxo. Minha menina! Você é uma fada.
ANGÉLICA: - Agora eu entendo tudo! (Abraça Bela) Obrigada Zezinho!
ZEZIINHO: - Não precisa agradecer. Apenas o bem prevaleceu!
ANGÉLICA: - Prometo que a partir de hoje serei a protetora dessa floresta. Mas quanto a varinha de condon que foi roubada da Fada Madrinha?
DUENDE DUDA: - Aqui está. Agora pertence a você. Cuide bem dela.
ANGÉLICA: - Claro! (Pra Zezinho) Aceita uma carona?
ZEZINHO: - Claro! (Saem voando)

F I M

11 comentários:

  1. O texto é ótimo, nesse último bimestre, no 5° ano estudei sobre bruxas, dragões e monstros e no dia de entrega do boletim vamos fazer essa peça , vou ser o Bruxo Capetão Quinto

    ResponderExcluir
  2. Esse texto é muito bom, e ajudou muito a minha turma com a apresentação de teatros da escola!

    ResponderExcluir
  3. na milha aula de teatro vamos fazer esta peça adorei ... vou ser a fada bela

    ResponderExcluir
  4. vou fazer essa peça na escola, no dia da cuminância

    ResponderExcluir
  5. Eu vou apresentar essa peça na escola vou ser a bruxa instrutora

    ResponderExcluir
  6. eu tava presisando dessa peça, tenho que decorar a falas da bruxa má, sou subistituta e tenho que me preparar, se a principal não for!

    ResponderExcluir
  7. que ótimo este teatro adoreeeeeiiiiiii me ajudou na semana cultural da minha escola
    obrigada

    ResponderExcluir
  8. amei essa peça vou fazer no final de setembro na minha escola eu vou ser a bruxa angélica que da hora sou fada no final amei da hora malandro

    ResponderExcluir
  9. rei apresentala e muito boa

    ResponderExcluir

Obrigado! Sua opinião é muito importante.

fevereiro 02, 2011

ESCOLA DE BRUXAS (Texto de Teatro)

11 comentários
ESCOLA DE BRUXAS
De: Marcondys França
Inspirada na obra: "a bruxa que era boa"

PERSONAGENS:
BRUXINHA ANGÉLICA (A bruxinha boa)
BRUXINHA MALIGNA (A pior de todas)
BRUXINHA MALEFICA
BRUXINHA HORRENDA
BRUXINHA FEDELHA
BRUXA- INSTRUTORA
BRUXO CAPETÃO QUINTO (Mestre dos Bruxos)
CONDE DO MAL
ZEZINHO (Menino)
FADA BELA
DUENDE DUDA

CENÁRIO ÚNICO: UMA FLORESTA

(Entram todas as bruxas montadas em vassouras se posicionam no palco em seguida entra Bruxa Instrutora com um apita e as bruxinhas começam a cavalgar em torno da cena, sempre montadas em suas vassouras. A bruxa chefe torna a apitar; elas param.
A última bruxinha da fila é diferente das outras. De baixo da roupa de bruxa, percebe seus cabelos louros e com um rostinho angelical: É a bruxinha Angélica. Voa com grande prazer na sua vassoura e monta com elegância, enquanto as outras voam como verdadeiras bruxas; gargalhadas e movimentos bruscos).

CENA I
BRUXA- INSTRUTORA: - Estão aqui todas as candidatas? Perfeitas! Quase todas... Bruxinha Angélica, você é mesmo um fracasso. Seu riso não era um riso de bruxa e muito menos de feiticeira. Assim você não passará no exame final. Agora vamos praticar o segundo ponto: gargalhada de bruxa. Uma de cada vez!
(Apita. Todas capricham, uma por vez, Angélica que apenas rir sem maldade alguma)
BRUXA- INSTRUTORA: - Bruxinha Angélica você é a única que não estava bem. Aprenda a gargalhar com as outras. Maligna, ria de novo mostre a Bruxinha angélica como se deve rir uma verdadeira bruxa.
MALIGNA: - (Rir horrivelmente feio)
BRUXA- INSTRUTORA: - Muito mal! Assim que se deve ser! Bruxinha Maligna continua a primeira da classe... Passemos ao terceiro ponto: Feitiçarias antigas e modernas. Peguem seus caldeirões e o livro de feitiços e vamos ver se aprenderam as principais bruxarias. E o que prepararam de cruel para me mostrar. (Todas vão buscar ingredientes para seu feitiço. Voltam e fazem suas misturas em ritmo apenas Angélica pica tranquilamente verduras).
BRUXA- INSTRUTORA: - (Nervosa apita) Bruxinha Angélica, se continuar assim, terá que ser mandada, presa para a torre de piche. Você quer ir pra lá?
ANGÉLICA: - Não! Querida e adorável Bruxa-Chefe...
TODAS: - Oh!
BRUXA- INSTRUTORA: - Querida e adorável?
TODAS: - Eca!
MALIGNA: - Terrível e magnânima mestra castigue-a.
MALEFICA: - Jogue-a no lamaçal de enxofre.
ANGÉLICA: - Prometo melhorar...
BRUXA- INSTRUTORA: - Que foi que disse?
ANGÉLICA: - Quero dizer piorar.
BRUXA- INSTRUTORA: - E muito! Então trate de aprender as bruxarias direitinho para se tornar uma bruxa de verdade. (Ouve-se uma corneta. Todas ficam alvoroçadas)
TODAS: - O Bruxo!
BRUXA- INSTRUTORA: - (Emocionada) Bruxinhas, alertas! Logo o Bruxo Mestre Capetão Quinto Vossa Ruindade Suprema virá para o exame final. Ordeno a todas que não me envergonhem. É preciso mostrar a Vossa Ruindade Suprema que vocês estão aptas. Todas já sabem que aquela que passar em primeiro lugar ganhará ganhara a varinha de condon que foi roubada da Fada Madrinha e também a vassoura a jato que um dia pertenceu a cruel Madrasta Má!
TODAS: - Oh!
BRUXA- INSTRUTORA: - (Percebendo que o Bruxo se aproxima) Silêncio!
As bruxinhas formam fila. Entra Conde do mal.

CENA II
CONDE DO MAL: - Vossa Ruindade Maior o Grande e Magnífico Mestre de Todos os Bruxos o Bruxo Capetão Quinto!
(Faz sinal para que o Conde do Mal saia. O Conde do Mal volta com o trono que é colocado no meio do palco. O Bruxo espirra, é saudado com palmas pelas bruxinhas).
BRUXA- INSTRUTORA: - Que detestável e nublado dia! Carregado de nuvens e trovões! Sua Ruindade Maior podemos começar o exame final? (Faz sinal para o Conde do Mal e lhe diz algo ao pé do ouvido. O conde transmite um sinal de consentimento)
BRUXA- INSTRUTORA: - Senhor Bruxo Capetão Quinto, único senhor desta floresta, rei de todas as feiticeiras, imperador das maldades... Imperador de todas as maldades... Imperado...
(Todas ficam aflitas parece que a Bruxa Mestra esqueceu. O Vice lhe fala ao ouvido)
BRUXA- INSTRUTORA: - (Com ênfase maior) Ditador de toda crueldades, Guardião dos malefícios. Assombração das selvas escuras... As meninas estão prontas para o grande exame final e esperam a vossa aprovação para merecerem a varinha de condon que foi cruelmente seqüestrada da fada madrinha e também da vassoura a jato que pertenceu a grande e malvada madrasta má assim como o título de bruxas-feiticeiras de primeira classe.
BRUXO: - Agora chega Bruxa-Instrutora. (Se levanta) Odiadas bruxinhas recrutas. É com grande insatisfação que faço este exame. Como já devem saber, a floresta já esta cheia de fadas, risos e crianças remelentas alegres brincando por toda parte. É preciso acabar com isso. Estamos precisando formar grandes feiticeiras para que possamos dominar o mundo. Bem sabem que há muitas falsas feiticeiras por ai... Precisamos de gente ruim de verdade. Temos que acabar com os passeios alegres pela floresta e com essa baboseira de preservação da natureza. Vocês serão encarregadas de destruir a floresta e botar pra correr esses tais protetores da natureza, roubar doces das criancinhas inocentes, calar de uma vez por todas esses pássaros irritantes, sujar a água das fontes, poluir os rios e o mar, causar queimadas nas florestas. E não se esqueçam: sobre tudo tapear as fadas! Quero causar a destruição através do desequilíbrio ecológico, com enxurradas, secas, furacões, tufões e terremotos. Pra isso conto com vocês. Vamos dar uma bela lição nessa tal de Mãe Natureza! (Senta no trono. As bruxinhas o aplaudem, menos Angélica) Vamos começar o exame. Venha você. (Aponta para Maligna que retira do caldeirão um papel passa para o Conde e o mesmo passa para a Bruxa Instrutora)
BRUXA- INSTRUTORA: - Quinto ponto: Adormecer moços.
MALÍGNA: - Essa é fácil! (Com desenvoltura faz uma espécie de dança dizendo palavras em bruxês acompanhada de uma sonoplastia)
BRUXO: - Muito bem. Agora algumas perguntas: quem descobriu a receita do remédio de fazer adormecer?
MALIGNA: - Foi o senhor.
BRUXO: - Muito bem. Quem foi o primeiro bruxo do mundo a atravessar a floresta em vassoura a jato e quem foi que mentiu, trapaceou e enrolou a Madrasta Má?
MALIGNA: - Foi o senhor.
BRUXO: - Muito bem! Essa bruxinha é muito sabida.
BRUXA- INSTRUTORA: - É a primeira da classe, Sua Ruindade.
BRUXO: - Está se vendo. Agora a última pergunta: quem foi o primeiro bruxo a expulsar todas as fadas, a assombrar criancinhas e convencer aos desavisados a poluir os rios, causar queimadas e destruir a floresta?
MALÍGNA: - Foi o Senhor.
BRUXO: - Quem é o único protetor e amigo de todas as maldades?
MALÍGNA: - É o Senhor.
BRUXO: - Muito bem! Muitíssimo bem! E ainda uma pergunta para ver se você é mesmo má. Quais as duas coisas mais importantes do mundo?
MALIGNA: - Fazer maldades e obedecer ao Senhor, é claro!
BRUXO: - Esplendido! Colossal! Quanta inteligência! Com bruxinhas como você a maldade está salva no mundo... Vamos para próxima. Você ai. (Aponta para Angelica) Por que os cabelos desta bruxa são tão esquisitos?
BRUXA- INSTRUTORA: - Nasceu assim, Sua Ruindade.
BRUXO: - Muito estranho isso. É preciso pintá-los com suco de asas de urubu cansado.
BRUXA- INSTRUTORA: - (Toma nota) Sim, Rua Ruindade.
BRUXO: - Tire o ponto. (Mesmo ritual, porém sonoplastia de balé)
TODOS: - AH! (Cara de nojos)
BRUXA- INSTRUTORA: - Cavalgada em vassoura: segundo ponto.
ÂNGELA: - Que bom! Que bom! Que bom!
BRUXO: - Porque essa alegria?
BRUXA- INSTRUTORA: - É a única coisa que gosta de fazer. Cavalgar em vassoura! (Angélica cavalga em sua vassoura dando gritinhos de prazer)
BRUXO: - Isto são maneiras de bruxa se comportar em cima de uma vassoura? Mostre como se faz Bruxa- Instrutora. (Demonstra com gritos feios) Muito bem! Você ainda está em forma, heim, minha velha? (Dá tapinha nas costas) Venha aqui bruxinha. Deixa eu te examinar de perto. Muito estranho este caso... Está bruxinha é muito esquisita...
CONDE DO MAL: - Esquisitíssima!
BRUXO: - Acompanhe meus movimentos... (Angélica tenta acompanhar mais sem sucesso) Horrível! Vamos as perguntas. Talvez assim ela possa se salvar. Quem descobriu o Brasil?
ANGELICA: - Pedro Álvares Cabral.
TODAS: - OH!
BRUXO: - (Ofendido) Então você não sabe que antes do português desembarcar aqui eu, o bruxo Supremo, a maior de todas as Ruindades já habitava esta floresta?
ANGELICA: - Ah!... É mesmo... É que eu pensava que...
HORRENDA: - Você é mesmo um desastre!
FEDELHA: - Não duvido nada que seja reprovada.
BRUXO: - (Interrompendo) Qual a melhor coisa do mundo? (As outras bruxinhas aflitas fazem sinal que sabem)
ANGELICA: - Deve ser andar de vassoura a jato, lá por cima, no céu, perto das árvores maiores...
TODAS: - OH!
BRUXO: - Você sabe o que acontece para quem não passa no exame?
ANGELICA: - Sei sim Senhor...
BRUXO: - E o que é?
ANGELICA: - Ficar presa na torre de piche por toda eternidade.
CODE DO MAL: - Ao menos uma resposta certa!
BRUXO: - E agora vamos a ultima pergunta. Como é que se prepara bruxaria de fazer dormir humanos?
HORENDA: - Eu sei!
FEDELHA: - Eu respondo...
BRUXO: - A esquisita responde.
AGELICA: - (Procura recordar) Bom... Bem... Põem-se num caldeirão três folhas de Lírios, dois litros de água de rosas...
TODAS: - Água de rosas?
ANGELICA: - De rosas não, de maracujá dormido. Depois uma pitada de alecrim, meia dúzia cravos da índia e um pouco de pétalas de violetas...
BRUXO: - Pétala de violetas! Você é a pior aluna que já passou por esta escola. Hoje à noite terás a última oportunidade. Se falhar, será presa na torre de piche e lá passará toda eternidade. Todas estão convocadas a fazer sua primeira grande maldade esta noite. Meninas não me desapontem! (Todas aplaudem menos Angélica)
CONDE DO MAL: - Mestre! Faltam ainda algumas bruxinhas a fazer os exames.
BRUXO: - As outras... Examinarei amanhã. Fiquei de mau humor. Agora tenho que ir jantar na casa de um ogro aliado meu... Tratem de ser bem ruins se quiserem ser aprovadas no exame final. E você, bruxinha Angélica, se até a meia-noite não fizer uma maldade será enviada para a torre de piche...
(O bruxo monta sua vassoura que o Conde vai buscar e sai acompanhado por todas as bruxinhas)
TODOS: (CANTANDO) - Pela floresta eu vôo, eu vou sozinha, voando em minha vassourinha. Eu sou muito má, vou te assustar, sou uma bruxinha...
(Saem de Cena)

CENA III
FADA BELA: - Duda? Duda!
DUENDE DUDA: - Que foi fada Bela?
FADA BELA: - Não percebe o perigo que estamos correndo?
DUENDE DUDA: - Somos tão poderosos quanto aquela corja!
FADA BELA: - Não devemos subestimá-los.
DUENDE DUDA: - Somos do bem!
FADA BELA: - O bem esta ameaçado, se não agir-mos o quanto antes a floresta será destruída.
DUENDE DUDA: - E o que vamos fazer?
FADA BELA: - Tenho um plano para parar as maldades do bruxo Capetão e todos seus aliados...
DUENDE DUDA: - É? O que pensa em fazer?
FADA BELA: - Sei que é um pouco arriscado... Mas, não vejo outra alternativa.
DUENDE DUDA: - Para impedir essa legião de malvados dependendo do que seja vale apena tentar.
FADA BELA: - Pra seguir enfrente com esse plano vamos precisar de ajuda.
DUENDE DUDA: - Que tipo de ajuda?
FADA BELA: - É ai que está.
DUENDE DUDA: - Ih! Sei não...
FADA BELA: - Vamos precisar de um humano para nos ajudar.
DUENDE DUDA: - Por que um humano? Bem sabe que aparecer para um humano é muito arriscado. E como sabe se é confiável?
FADA BELA: - Lembra-se da flauta mágica?
DUENDE DUDA: - Claro.
FADA BELA: - Então... Se tocada por um humano de coração puro e bondoso com a canção certa. Os poderes do mal serão paralisados para sempre.
DUENDE DUDA: - São três requisitos difíceis. Um coração puro, bondoso e ainda que saiba tocar flauta.
FADA BELA: - Temos uma missão. E não nos dariam essa missão se não pudéssemos cumprir.
DUENDE DUDA: - E onde está esta flauta?
FADA BELA: - Aqui esta. Há séculos esta guardada sobre nossa proteção. É chegada a hora. Agora vá e encontre um humano que tenha estas qualidades.
DUENDE DUDA: - Lá vou eu! Fui! (Sai)

CENA IV
(Entra Zezinho carregando lenhas e cantando feliz)
ZEZINHO: - Preciso descansar um pouco! Estas lenhas estão pesando muito. Mas, tenho lenha para dois dias, meus pais ficarão felizes. (Tira uma flautinha do bolso e senta-se) Que tal uma música? (Toca) Estou ficando tonto! Que estranho! De repente me bateu um sono... (Começa a adormecer. Aparecem às bruxinhas, fazendo bolhas de sabão)
DUENDE DUDA: - Esse humano deve se encaixar nos requisitos! E se contar que toca divinamente bem... Opa! Preciso me esconder.
ANGÉLICA: - Dormiu!
HORRENDA: - A bruxaria deu certo!
FEDELHA: - Dorme que nem um pateta! Ah! Ah!Ah!
ANGÉLICA: - Olhem... Está acordando! Que bonito ele é.
MALEFICA: - Então joga mais pó de dormideira. Anda Bruxinha Angélica, e deixa de bobagem! (Angélica joga pó de dormideira)
MALIGNA: - (Joga mais pó) Agora o pirralho dormiu mesmo.
ANGÉLICA: - Tadinho! (Ângela ajeita a cabeça de Pedrinho)
HORRENDA: - O que é que você esta fazendo Bruxinha Angélica?
FEDELHA: - Que esta fazendo?
ANGÉLICA: - É pra ele não se machucar.
MALIGNA: - Deixa de ser boa bruxinha Angélica. Vai passar o resto da eternidade na torre de piche?
ANGÉLICA: - Não!
MALEFICA: - Se continuar assim vai passar a eternidade trancada na torre de piche. Bruxinha Fedelha que maldades vamos fazer agora?
FEDELHA: - Cada qual fará a sua. Eu vou poluir a floresta. Você Malígna vai desaparecer com o chapéu e o casaco desse menino. E você bruxinha Angélica vai amarrar os braços e as pernas desse fedelho.
HORRENDA: - Ah! Vamos botar fogo na casa dele enquanto você bruxinha Ângela sopra em cima dele pra ele não acordar... E se acordar, bate na cabeça dele com bastante força com este porrete. Depois pega a sua vassoura e vá nos ajudar.
MALÉFICA: - Por que não bater nele agora? Que acham meninas?
FEDELHA: - Agora não. Este é um trabalho da bruxinha Angélica. Ela que tem que fazer isso. Ordens do Bruxo!
MALIGNA: - Vamos meninas! (Pra Angélica) E trate de andar depressa senão o Bruxo vem e é você que vai pra Torre de Piche.

CENA V
(Saem. Zezinho começa a acordar, Angélica tenta fazê-lo dormir sem muita convicção)
ZEZINHO: - Bruxa! Feiticeira! Malvada! Roubou a minha lenha! Pensa que tenho medo de você? Covarde! Diga, anda, onde esta minha lenha?
ANGELICA: - Elas levaram.
ZEZINHO: - Quem?
ANGÉLICA: - As outras. Uma delas irá ganhar a vassoura a jato e passear por ai por cima das árvores. (Suspira) Eu queria tanto ganhar a vassoura a jato!
ZEZINHO: - E eu com isso? Só quero minhas coisas!
ANGÉLICA: - Sinto muito!
ZEZINHO: - E meu chapéu?
ANGÉLICA: - Ah, também levaram...
PEDRINHO: - Quem?
ANGÉLICA: - As outras. São más.
ZEZINHO: - E levou pra onde?
ANGÉLICA: - Não sei.
ZEZINHO: - Sabe sim, deixa de ser mentirosa, bruxa malvada. Se não me disser onde está a minha lenha eu te quebro a cabeça...
ANGÉLICA: - (Chora)
ZEZINHO: - Xiiiiii! Nunca vi bruxa chorar. Você não tem vergonha?
ANGÉLICA: - Tenho sim...
ZEZINHO: - Também nunca vi feiticeira de cabelos amarelos. Que bruxa mais esquisita. E por que você está chorando?
ANGÉLICA: - Por que eu queria ganhar vassoura a jato para passear por cima das árvores.
ZEZINHO: - Mas quem é que vai dar essa vassoura a jato?
ÂNGELA: - O Bruxo Capetão Quinto!
ZEZINHO: - Capetão quinto? O bruxo mais malvado desta floresta?
ANGÉLICA: - Este mesmo. Ele que fez é responsável por toda magia negra existente nesta floresta. Foi ele quem descobriu o Brasil.
ZEZINHO: - Ah, isso não! Quem descobriu o Brasil foi Pedro Álvares Cabral...
ANGÉLICA: - Também acreditava nisto. Mais o Bruxo disse que foi ele próprio.
ZEZINHO: - Além de ruim, é mentiroso...
ANGÉLICA: - Claro! Ele é bruxo. Jamais diria a verdade.
ZEZINHO: - É isso mesmo. Ele nem sabe o que é verdade. Por que você não vai ganhar a vassoura a jato?
ANGÉLICA: - Por que a Bruxa-Chefe...
ZEZINHO: - E que é a Bruxa-Chefe?
ANGELICA: - É a instrutora. Disse que sou esquisita, só por que não sei fazer maldades.
ZEZINHO: - Quem sabe você não é bruxa...
ANGELICA: - O que?
ZEZINHO: - Quem sabe você não é uma fada...
ANGÉLICA: - Ah, isso não! Fada não gosta de voar em vassoura a jato como eu gosto...
ZEZINHO: - Para gostar de voar de vassoura a jato não precisa ser bruxa. Até eu gostaria de dar uma voltinha...
ANGÉLICA: - Então quem sabe você não é um bruxo disfarçado?
ZEZINHO: - Ah, isso não! Também não gosto de fazer maldades.
ANGÉLICA: - Tá certo! Malígna sim é bruxa. É ela que vai ganhar a vassoura a jato. (Lembra) Ela vai colocar fogo na sua casa!
ZEZINHO: - O quê?
ANGÉLICA: - Ela e as outras bruxas.
ZEZINHO: - Que horror! Isso é terrível! Minha mãe e meu pai estão lá dentro... Eles são tão pobres e não tem outra casa pra morar... E agora?
ANGÉLICA: - Temos que impedir.
ZEZINHO: - Vou correndo...
ANGÉLICA: - Como você se chama?
ZEZINHO: - Zezinho.
ANGÉLICA: - Zezinho!
ZEZINHO: - Preciso ir.
ANGÉLICA: - Toma! Leva minha vassourinha. Montado nela você chega mais rápido.
ZEZINHO: - Você vai me emprestar?
ANGÉLICA: - Claro!
PEDRINHO: - Obrigado.
ANGÉLICA: -: - Adeus Zezinho! A vassourinha não corre muito mais serve. (Ele sai) Agora preciso fazer uma maldade ou...

CENA VI
DUENDE DUDA: - Bela! Bela!
FADA BELA: - que foi duende Duda?
DUENDE DUDA: - Já sei quem poderá nos ajudar a neutralizar os poderes do Bruxo Capetão Quinto!
FADA BELA: - Já sabe?
DUENDE DUDA: - É sei.
FADA BELA: - Quem?
DUENDE DUDA: - Tem um menino...
FADA BELA: - Um menino? Mais como um menino poderá nos ajudar?
DUENDE DUDA: - Não é um simples menino. É especial...
FADA BELA: - Especial?
DUENDE DUDA: - Sim. Tem todos os requisitos... Tem um coração puro e bondoso.
FADA BELA: - Só isso não basta. Pra neutralizar os poderes dos bruxos tem...
DUENDE DUDA: - Que saber tocar flauta. E sabe.
FADA BELA: - Sabe?
DUENDE DUDA: - Sabe.
FADA BELA: - Então se tocar a flauta mágica neutraliza todos os bruxos.
DUENDE DUDA: - É isso!
FADA BELA: - E como sabemos se irá topar? S e estiver enganado? Não podemos nos expor!
DUENDE DUDA: - Se é para salvar a floresta vale apena arriscar.
FADA BELA: - Tem razão! Vamos...
DUENDE DUDA: - A família dele corre perigo.
FADA BELA: - Está ai uma boa oportunidade.
DUENDE DUDA: - Então vamos... (Saem)
CENA VII
(Entram as outras Bruxinhas)
ANGÉLICA: - Me dá uma caroninha na tua vassoura bruxinha Fedelha. É que emprestei a minha.
FEDELHA: - Bruxinha boboca, isso não me importa!
ANGÉLICA: - Por favor!
MALÉFICA: - Quem mandou emprestar!
ANGELICA: - Não seja egoísta!
FEDELHA: - Sai pra lá. (Entra a Bruxa-Instrutora)
BRUXA- INSTRUTORA: - Silêncio! Forma de ferradura.
CONDE DO MAL: - Vossa Ruindade Maior o Bruxo Capetão Quinto o máximo!
BRUXO: - Estou muito zangado! Zangadíssimo! Zangadérrimo! Bruxinha Angélica! Eu vi tudo através do espelho mágico!
ANGÉLICA: - Sinto muito!
TODAS: - Oh!
BRUXO: - Cale-se! Você não cumpriu com minhas ordens!
CONDE DO MAL: - Você fez alguma maldade? Adormeceu algum humano distraído? Ah não responde! E sua vassoura, Onde esta? Não responde. É o que pensei...
BRUXO: - O que diz em sua defesa?
VICE-BRUXO: - Vi através do espelho mágico tudo que aconteceu. Magnânimo mestre. Esta bruxa que aqui está nos envergonhou. Emprestou sua vassoura a um humano xexelento!
TODAS: - OH!
BRUXO: - Sabe o que acontece com as bruxas que desobedecem a Sua Ruindade Suprema?
TODAS: - A Torre de Piche!
BRUXO: - E pra quem empresta a sua vassoura a um menino?
TODAS: - A Torre de Piche!
BRUXO: - As que não conseguem fazer maldades?
TODAS: - A Torre de Piche!
VICE-BRUXO: - Vossa Ruindade Maior... Está bruxinha esquisita não é como as outras. Já deu provas que não pode fazer parte do grupo. Atrapalhou as outras bruxinhas a completarem suas tarefas de maldades. Por isso, como provas concretas, peço a o senhor que é o senhor do mal que a castigue com o castigo maior.
TODAS: - Castigue-a!
BRUXO: - Bruxa-Instrutora... Traga a chave do cadeado. Bruxinha Angélica, esta condenada por toda eternidade a viver na Torre de Piche. Você Maléfica ficará encarregada de vigiar a Torre de Piche. Já quanto à vassoura a jato. Maligna, por suas ruindades prestadas a classe de bruxos, você ganhará a varinha de condon que foi roubada da fada madrinha e a vassoura a jato!
TODAS: - Ah! (Vaiam)
BRUXO: - Quanto a vocês... Continue Vice-Bruxo.
VICE-BRUXO: - Se continuarem assim... Com exceção da bruxinha Angélica, também ganharão a sua vassoura a jato.
BRUXA- INSTRUTORA: - Aqui está Maléfica a chave. Não deixe ninguém se aproximar da Torre. Angélica, entregue seu chapéu de bruxa. Bruxinha Fedelha e Bruxinha Horenda, leve-a para torre.
HORRENDA: - Pode deixar!
MALIGNA: - Garanto que ela será bem guardada. Ah! Ah! Ah! (Guarda na cintura)
VICE-BRUXO: - As outras bruxinhas ficarão vigiando a floresta. Muito cuidado com a música. Lembrem-se há uma música que pode eliminar o feitiço e transformar feiticeiras em pó. E agora Bruxinhas... Quem é o maior Bruxo do mundo?
TODAS: - Vossa Ruindade Suprema o Bruxo Capetão Quinto!
VICE-BRUXO: - Ótimo!
BRUXO: - Agora preciso visitar meu aliado o Ogro. Preciso unir todas as forças do mal para enfim dominar o mundo (Sai)
MALIGNA: - Bruxa-Chefe?
BRUXA- INSTRUTORA: - O que é Malígna?
MALÍGNA: - Quando é que vou ganhar a varinha de condon e minha vassoura a jato?
BRUXA- INSTRUTORA: - Só o Bruxo sabe. Vá até a casa do Ogro e pergunte a ele.
MALÍGNA: - Mas quem vai ficar tomando conta da bruxinha Ângela?
BRUXA- INSTRUTORA: - Quem ainda não tem trabalho pra esta noite?
HORRENDA: - Eu não tenho.
BRUXA- INSTRUTORA: - Então você vai ficar tomando conta da bruxinha Ângela na Torre de Piche. (Dá um apito e sai com as outras) Mas aviso. É uma tarefa de muita responsabilidade.
HORRENDA: - Prometo não falhar.
BRUXA- INSTRUTORA: - Sendo assim. É confiado a você esta tarefa Bruxinha Horrenda. (Saem todas Fica só Horrenda e Angélica)

CENA VIII
(Ângela esta na torre só é vista pela pequena janela. Pedrinho com uma atiradeira joga pedrinhas para chamar a atenção)
ANGÉLICA: - Bruxinha Horrenda!
HORRENDA: - O que é?
ANGÉLICA: - Estou com sede.
HORRENDA: - E eu com isso!
ANGÉLICA: - Quer que eu morra de sede?
HORRENDA: - Tanto faz! Problema seu.
ANGÉLICA: - Se eu morre de sede o Bruxo te prende nesta Torre por toda eternidade.
HORRENDA: - Quem disse?
ANGÉLICA: - Ele disse que eu tinha que ficar aqui por toda eternidade. Mas se você não me der água morro antes. E o Bruxo ficará muito zangado.
HORRENDA: - Tem razão. Vou buscar água no rio.
ANGÉLICA: - O rio foi envenenado pela Bruxinha Maléfica. É melhor ir buscar na fonte.
HORRENDA: - Tá certo. Já volto. Não tente nada. Não se esqueça que a chave está com a Bruxinha Malígna. (Monta na vassoura e sai)

CENA IX
ZEZINHO: - Preciso devolver esta vassoura a Angélica!
DUENDE DUDA: - Hei! Psiu!
ZEZINHO: - Alto lá...
DUENDE DUDA: - Hei, calma!
ZEZINHO: - Quem é você?
FADA BELA: - Ele é o Duende Duda...
ZEZINHO: - Duende?
FADA BELA: - Não precisa ter medo. E eu sou a Fada bela.
ZEZINHO: - Afastem-se!
FADA BELA: - Calma!
DUENDE DUDA: - Não vamos lhe fazer nenhum mal.
FADA BELA: - Somos do bem.
DUENDE DUDA: - Fomos nós que lhe ajudamos a apagar o fogo.
ZEZINHO: - Por isso que senti que um milagre aconteceu!
FADA BELA: - Você tem um coração bondoso e foi merecedor de nossa ajuda.
PEDRINHO: - Não posso acreditar! Primeiro as bruxas! Agora fada e duende!
FADA BELA: - Sei que é difícil de acreditar! Mas existimos. Precisamos de sua ajuda.
ZEZINHO: - Minha ajuda? Mas como posso ajudar?
FADA BELA: - A derrotar o Bruxo Capetão Quinto.
ZEZINHO: - Mas como?
DUENDE DUDA: - Sabemos que você toca flauta...
ZEZINHO: - Não entendo...
FADA BELA: - Eu explico. Só há um jeito de derrotar os poderes do Bruxo Capetão Quinto e sua legião. Um humano com o coração puro e bondoso Tocará a flauta mágica e isto neutralizará os poderes do mal.
DUENDE DUDA: - E você tem todos os requisitos.
ZEZINHO: - Flauta mágica!
DUENDE DUDA: - Sim.
FADA BELA: - Aqui está. (Pega um pergaminho) E esta é a música deve ser tocada.
DUENDE DUDA: - Pode nos ajudar?
ZEZINHO: - Acho que sim.
FADA BELA: - Angélica não é uma bruxa. Foi seqüestrada quando bebê por Capetão Quinto e desde então vive na escuridão.
ZEZINHO: - Bem que eu desconfiava! Podem contar comigo.
FADA BELA: - Zezinho mesmo que a distância nós estaremos lhe ajudando. Agora vá. E não esqueça: Toque a música!
DUENDE DUDA: - Ouça teu coração! Boa sorte! (Saem os dois fica Zezinho)

CENA X
ANGÉLICA: - Zezinho! Estou presa.
ZEZINHO: - Quem te prendeu?
ANGÉLICA: - O Bruxo.
ZEZINHO: - Trouxe sua vassourinha...
ANGÉLICA: - Você chegou a tempo?
ZEZINHO: - Cheguei. A malvada só conseguiu por fogo no galinheiro. Joguei tanta pedra nela que ela teve que fugir.
ANGÉLICA: - Foi ela que ganhou a varinha de condon e vassoura a jato. Já eu tenho que passar toda eternidade presa aqui.
ZEZINHO: - Isso é terrível!
ANGÉLICA: - Tudo porque não consigo fazer o mal.
ZEZINHO: - Não é justo!
ANGÉLICA: - Já fui julgada e condenada. Este é meu fim.
ZEZINHO: - Posso te tirar daí.
ANGÉLICA: - Mas como?
ZEZINHO: - Posso pegar a chave.
ANGÉLICA: - Não! A Bruxinha Horrenda é má. Vai lhe transformar num sapo.
ZEZINHO: - Isso é o que veremos.
ANGÉLICA: - Admiro sua coragem!
ZEZINHO: - Você é boa. (Pega uma flor) Pra você.
ANGÉLICA: - É linda Zezinho!
ZEZINHO: - É pra você não se sentir sozinha. Espera... (Pega aflauta) Posso tocar uma música.
ANGÉLICA: - Espera.
ZEZINHO: - Que foi?
ANGÉLICA: - A música.
ZEZINHO: - Que tem a música?
ANGÉLICA: - O único jeito que existe contra a bruxaria... Só que quase ninguém sabe tocar essa música.
ZEZINHO: - Eu sei sei.
ANGÉLICA: - Sabe?
ZEZINHO: - Sim... Angélica preciso lhe falar algo.
ANGÉLICA: Essa música destruirá toda legião de bruxos da floresta.
PEDRINHO: - Não consigo me mexer... Minhas pernas estão pesadas... (Entra Horrenda em sua vassoura)
HORRENDA: - Ah! Ah! Ah!
ANGÉLICA: - Cuidado Pedrinho!
HORRENDA: - Então é você? O menino xexelento que nos jogou pedras hein?! Agora foge... Anda... Quero só ver. Você vai virar mingau menino! Ah! Ah! Ah!
MALÉFICA: - Que esta acontecendo aqui?
MALÍGNA: - Será castigada. Abandonou seu posto.
HORRENDA: - Não é por que ganhou uma vassoura a jato que pode gritar comigo.
MALÍGNA: - Sou a primeira da classe. Sendo assim posso tudo.
HORRENDA: - Ah é?
MALÍGNA: - É.
HORERENDA: - Veremos. (Se agarram. Pedrinho aproveita e rouba a vassoura a jato)
MALÉFICA: - Porrada! Porrada!
ANGÉLICA: Foge Zezinho!
ZEZINHO: - Volto pra te ajudar!
MALÍGNA: - Tá vendo... A culpa é sua.
HORRENDA: - É tua. Idiota!
MALÉFICA: - Xi!
HORRENDA: - Não foi a minha vassoura a jato que ele roubou.
MALIGNA: - Por tua culpa.
MALÉFICA: - Vou contar tudo ao bruxo!
MALIGNA: - Ah não vai não...
HORRENDA: - Pode deixar que eu conto!

CENA XI
(Entra a Bruxa-Intrutora)
BRUXA- INSTRUTORA: - O que está acontecendo aqui? Parem já com isso. (Apita) Agora chega.
MALIGNA: - Estávamos praticando algumas maldades...
HORRENDA: - Sabe como é... Se não praticar agente enferruja.
BRUXA- INSTRUTORA: - Que ótimo estão cada dia mais malvadas! Agora peguem suas vassouras. Malígna você vai na frente com sua vassoura a jato.
MALIGNA: - Vou na da bruxinha Angélica.
BRUXA- INSTRUTORA: - Por que não na sua?
HORRENDA: - Ai tem! Vamos Malígna explique-se. Estamos esperando.
BRUXA- INSTRUTORA: - Malígna?
MALIGNA: - É que a minha vassoura a jato precisa de ajuste, estava falhando.
MALÉFICA: - Ah, que pena! Queríamos tanto vê-la voando.
HORRENDA: - Só quero ver por quanto tempo vai conseguir enganar a todos.
(Todas montam em suas vassouras quando ouve uma música. Todas andam em câmera lenta até vira estátuas)
ZEZIINHO: - Estão todas durinhas feito pedras!
ANGÉLICA: - Que bom Zezinho! Você conseguiu. Mas como?
ZEZIINHO: - Que bom que consegui tocar a música a tempo!
ANGÉLICA: - Depressa Zezinho! Tire a chave do bolso da Maligna.
ZEZIINHO: - Pronto! Agora vamos sair daqui...
ANGÉLICA: - Vamos fugir na vassoura a jato! Você é muito bacana Pedrinho! Mas como conseguiu?
ZEZIINHO: - Tive ajuda. Você é boa tem um bom coração. Por isso tinha certesa que você não é uma bruxa. Você é uma fada.
ANGÉLICA: - Não entendo. Do que está falando?
ZEZIINHO: - É uma longa história... (Ouve-se uma gargalhada do Bruxo)
ANGÉLICA: - É o Bruxo. Vamos nos esconder. Vem...
BRUXO: - Mais o que houve aqui? (Olha a Torre) Então aquela bruxinha pentelha fugiu? Mas como? Vice-Bruxo? Vamos iniciar o ritual para desfazer o feitiço que pedrificou as bruxas.
ANGÉLICA: - Toque Pedrinho! Toque!
BRUXO: - Maldição! Que música é esta? É uma flauta! Vice-Bruxo o apto... (Vice-Bruxo apita) Vamos bruxas peguem suas vassouras e fujam antes que seja tarde demais. (Em câmera lenta todos são sugados para a torre) Nós voltaremos! Isto não vai ficar assim... A floresta é minha! Minha!
ZEZIINHO: - Pronto! Fecha a porta Angélica. Agora vocês seus malvados passarão toda eternidade ai trancados nesta torre. Quanto à floresta? Será de novo dos pássaros e de todos os animais a quem ela realmente pertence. Agora será protegida pelas fadas. (Cantos de pássaros)
ANGÉLICA: - A floresta agora está livre da maldade. Todos poderão apreciar a beleza da natureza.
ZEZIINHO: - Isto é seu.
ANGÉLICA: - A vassoura a jato.
ZEZIINHO: - Do alto você poderá apreciar toda floresta. Há o que eu queria lhe dizer...

CENA XII
DUENDE DUDA: - Pode deixar Zezinho...
ANGÉLICA: - Vocês são...
FADA BELA: - Sim, ele é um duende e eu uma fada. Agora é chegado o momento de saber toda verdade. Não é atoa que você é diferente de todas as outras Bruxinhas. É que você não é uma bruxa.
ANGÉLICA: - Não sou?
DUENDE DUDA: - Não é.
FADA BELA: - Quando ainda era um bebê você foi tirada de nós por este cruel e malvado Bruxo. Minha menina! Você é uma fada.
ANGÉLICA: - Agora eu entendo tudo! (Abraça Bela) Obrigada Zezinho!
ZEZIINHO: - Não precisa agradecer. Apenas o bem prevaleceu!
ANGÉLICA: - Prometo que a partir de hoje serei a protetora dessa floresta. Mas quanto a varinha de condon que foi roubada da Fada Madrinha?
DUENDE DUDA: - Aqui está. Agora pertence a você. Cuide bem dela.
ANGÉLICA: - Claro! (Pra Zezinho) Aceita uma carona?
ZEZINHO: - Claro! (Saem voando)

F I M

11 comentários On "ESCOLA DE BRUXAS (Texto de Teatro)"

  1. O texto é ótimo, nesse último bimestre, no 5° ano estudei sobre bruxas, dragões e monstros e no dia de entrega do boletim vamos fazer essa peça , vou ser o Bruxo Capetão Quinto

    ResponderExcluir
  2. Esse texto é muito bom, e ajudou muito a minha turma com a apresentação de teatros da escola!

    ResponderExcluir
  3. na milha aula de teatro vamos fazer esta peça adorei ... vou ser a fada bela

    ResponderExcluir
  4. vou fazer essa peça na escola, no dia da cuminância

    ResponderExcluir
  5. Eu vou apresentar essa peça na escola vou ser a bruxa instrutora

    ResponderExcluir
  6. eu tava presisando dessa peça, tenho que decorar a falas da bruxa má, sou subistituta e tenho que me preparar, se a principal não for!

    ResponderExcluir
  7. que ótimo este teatro adoreeeeeiiiiiii me ajudou na semana cultural da minha escola
    obrigada

    ResponderExcluir
  8. amei essa peça vou fazer no final de setembro na minha escola eu vou ser a bruxa angélica que da hora sou fada no final amei da hora malandro

    ResponderExcluir
  9. rei apresentala e muito boa

    ResponderExcluir

Obrigado! Sua opinião é muito importante.

PESQUISE NESTE BLOG:

Carregando...
Marcondys França. Tecnologia do Blogger.

About Me

Minha foto
Sou o que sou, não o que esperam de mim... Se esperam é por que não me aceitam como sou. Se não me aceitam não há razão para que eu seja.

Labels

1º maio 2014 24 anos a encalhada A Grande Viagem A Mulher do Prefeito a paixão de cristo a pilula falante achado africa AGOSTO 2011 agradecimento ah AIDS album de fotos album de fotos 2013 alexa algo em comum algum de fotos AMOR amor a vida amor em preto e branco aniversario aniversário ano novo ANOS VINTE anália aparecida apoteose aprendizado apresentação arte ARTESANATO artigo arvore arvore de natal ato 2 ATO 4 ATO I ATO I CENA I E II ATO II ATO II - CENA II ATO II -CENA III ATO II CENA X e XII) ATO II – CENA VIII e IX ATO III ato III cena VIII à XII Ato III cena xII ATO IV Cena X e XI) ATO IV-Cenas XII a XIII AtoII - Cena VIII) AtoII-Cena VII ATORES.FIGURANTES atriz atuação AULA 1 AULA 2 AULA 3 aulas autor teatral autorização avalon BABA BABY bailarina bala perdida balharina balão balões banco do brasil bandeirantes Barne bastidores BETH E LOW BIANCA GOMES bibliografia biblioteca Bienal 2010 bilhete book bordado BRINCADEIRA BRINCADEIRAS brincar BRINQUEDOTECA bruxas Budismo bullying cachorro caipira caixa de brinquedos calada calando do agreste calango do agreste CALENDARIO CALENDÁRIO camila gomes campanha candomblé canto capa de revista carater carimbó carnaval carreira carreira. carrocel carta cartaz CARTINHAS cartão casamento cauê CCA cca são benedito cego cegos cena 1 cena 2 cena 3 cena 4 cena 5 cena 6 cena 7 cena 8 cena 9 Cena III Cena IV cena mentingos CENA V CENA XI cenografia centro cultural cenários chaiévelin CHAPLIM chiquititas cia gambiarra cultural cibenética CICATRIZES cinema circo circo mambembe circo teatro circoteatro CITAÇÃO CLOWN colação de grau coleta seletiva comemoração comercial comédia comédia e tragédia concerto concurso confraternização conscientização construção da personagem contação de história CONTO CONTOS convite copacabana cor coral CORAÇÃO DELACERADO CORRENTES RELIGIOSAS cpca cpca são benedito criatividade CRISTIANISMO cristo cronograma crueldade cuca culto cultura jovem curriculo artístico curta curumim câmera escondida cão DANÇA datas comemorativas de volta pra casa defesa animal defesa dos animais deficiência visual Denise Fraga depoimento desejo desenho desfile despedida deuses gregos DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA dia das mães Dia do Trabalho DIA DOS PAIS dia dos professores DICIONÁRIO DO TEATRO didática direito direito de viver discriminação diversidade dogma DOI DONA FANTASMA drama drama. DRAMATIZAÇÃO dramaturgia drogas DUBLAGEM Durkheim eatro ecologia educadora educadores educar educação educação ambiental educação infantil ele é o cara ELEIÇÃO elenco eles seguiram a estrela em busca do caminho em nome do pai emef armando arruda pereira emili emprego emília encahadas enchente encontrado energia ensaio ensaio sobre dramaturgia entrando numa fria entrevista enxurrada Episódio 1: A DESCONFIANÇA equipe escola escrita esculturas ESSE CORPO MORENO ESTAGIO EM GESTÃO estagio supervisionado estreia estréia ESTUDO ESTUDO SOBRE RELIGIÃO ESTÁGIO ewerton ex aluno exposição expressão corporal fabula família fantama fantaminha fantasia FANTASMA FANTASMINHA faustão ferias ferrados festa festa da primavera festa da primavera 2011 festa das nações festa junina fica comigo figurinos filme FILME CALANGO DO AGRESTE filmes filosofia fim de ano FINAL) folia folia do coração formando Formatura formação acadêmica forte forte de copacabana fotonovela fotos fotos frases FOTOS TEATRO frases prontas frases prontas.fotos frases funcionários furto fuzuê férias GALERIA DE FOTO galeria de fotos GATA gato globo graese gravação grupo temporá halloween HINDUÍSMO historia história história de vida homem do campo homenagem humor igualdade IMAGINAÇÃO inclusão indio infantil informativo infância instrumento interdisciplinar ipanema Islamismo islã itau itaú cultural jabaquara jardim botânico jesus jovem jr JUDAÍMO JULIANO CAZARRÉ JULIETA juntos jura que me ama juvenil lei Lei regula os direitos autorais leila monteiro LEMBRO-ME leme LENDA lingua lixo LIÇÃO DE VIDA LIÇÃO DE VIDA (CENA III E IV) LIÇÃO DE VIDA (CENA IX E X) LIÇÃO DE VIDA (CENA V E VI) LIÇÃO DE VIDA (CENA VII E VIII) LIÇÃO DE VIDA (CENA XIV E XV) LIÇÃO DE VIDA CENA FINAL lobato Louis Braille lugar de lixo é no lixo lágrimas LÚCIA PABLO maldito maquiagem marcas do que se foi marcondys marcondys frança maria clara machado MARIBEL MARINHEIROS mateus MATEUS SOLANO me ame ME TROCAS MENINO DE RUA meninos de rua mestres meu nego meu pai MEU PÉS mimi mito.fé mitologia MITOLOGIA GREGA-ROMANA MODELOS momento monologo MONTAGEM monteiro moral morte mosaico mostra museu do circo museu do futebol museu do gás muçulmana mãe MÃE EMPRE MÃE 2008 MÃE EMPRE MÃE 2009 mãe sempre mãe música narizinho nastácia NATAL natureza nazareno NEGO.POESIA negro nelson rodrigues NOITE noites frias de inverno notícia novela não não amaras Não Chores Palhaço‏‏ não me abandones NÃO SE VÁ números circo o anel magico o anel mágico O BRINCAR o corpo o corpo ato IV cena I a V o corpo ato IV cena VI a IX o desejo O Jovem e as Drogas" o pequeno engraxate o principe e a s plebeia o rapto do papai noel o verdadeiro sentido do natal observação oficina oficina de teatro oficineiros operação planeta orientação orquesta OUTUBRO 2011 pai pais paixão palestra palhaço PALHAÇOS PAOLA OLIVEIRA papai noel Paraolimpíadas Paraty-Rio de Janeiro paraíso participação Participação no Programa Legendários pascoa passeio Peca teatral PECADO PEDAGOGICO pedrinho PEDRO & BIANCA pegadinha PENSAMENTOS perdido PERDÃO perfil do docente PERNA DE PAU personagens pesquisa peça peça de teatro peça infantil peças Piaget pintura PIRAMO E TISBE pluft plástica poema poema poesia poemas poesia POESIAS POLITEÍSTA polivalente POR QUE AGE ASSIM? PORTIFÓRIO portuguesa PREPARAÇÃO DE ATORES PREPARAÇÃO DE ELENCO presentes PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PREVENÇÃO primavera primavera 2011 primeiro ato princesas professores PROGRAMA DO GUGU programa do ratinho PROGRAMA SILVIO SANTOS projeto projeto lê propaganda proposta psicologia páscoa pânico pânico na band pão de açuca pós graduação quadrilha quadrinhos qualidade quem sou RACISMO radesco rainha rainha do carnaval 2012 rapto rato reciclagem recompensa RECORD rede globo reflexão regina duarte REGISTRO EM ESTÁGIO EM ONG registros rei relatorio final religião RELIGIÕES POLITEÍSTA restropectiva RESUMO RETROSPECTIVA 2013 rio de janeiro ROBERTA FRANÇA Rodriguianas: Tragédias para Rir ROMEU ROMEU E JULIETA ronald roupa dp imperador réveillon saci salgueirotexto salvador sao benedito sara saudade sbt SE SE FOR ME AMAR segundo ato seleção selção senhoras sequência ser criança serie serra negra - sp SERÁ sesi SETE MINUTOS setembro setembro 2011 sexo sexualidade Shakespeare SHEKESPEARE silencio silvio santos SINHA ANINHA sinhaninha sinopse sitio sociologia soldadinho sonho de verão SONHOS DE UMA NOITE DE VERÃO sophia sorrir e cantar é só começar SUAS CRISES sujeito oculto susana vieira SUZANA VIEIRA são joão são paulo Série sétima arte símbolos sítio também sou teu filho teareo tearo teatro teatro peça circo TEATRO DO SESI TEATRO GREGO teatro infantil teatro.direito teatro.peça teatrólogo gregos televisão temporada 2013 tentativa teste texto Texto de Teatro Texto Teatro texto.teatro.peça trabalho TRAGÉDIA trilha sonora trio eletrico turma tv TV CULTURA tv globo Tv Record uberlandia um filho de coração UM SIMPLES ANÔNIMO VAMOS BRINCAR DE QUE? velhice VERONA viagem vida video violencia violencia sexual violência visconde viver vivi sonhando William XAMANISMO XII E XIII Ágatha árvore é tudo mentira ética Índia