O PEQUENO ENGRAXATE (Texto de Teatro)

O PEQUENO ENGRAXATE
De: Marcondys França

Personagens: Elenco:
Silvia ..................................................................Neide Lins
Paulão.........................................................Marcondys França
Marimba..............................................................Ivan Dellon
Gustavo........................................................Marcondys França

Primeiro ato
Cenário: Barraco num morro carioca, Silvia entra com uma trouxa de roupas na cabeça.

Silvia: -Marimba!... Marimba?!...Vem cá moleque.
Marimba:( Entra com uma pipa ) -Tá chamando mãe?!
Silvia: -Tá surdo moleque? Mais que isso? Olha que imundísse! Já pro banho.
Anda logo menino, se aveche, viu?
Marimba: -Por que?!
Silvia: -Você vai levar esta lavagem na casa da dona conceição.
Marimba: -Ah, mãe! Tô cansado.
Silvia: -E eu Não?!
Marimba: -Cheguei qualse agora da Central.
Silvia: -Eu sei meu filho. Mas faz isso pra tua mãe... Você sabe que não podemos contar com o traste do teu pai pra nada. Filho, só posso contar com você!
Marimba: -Tá bom mãe! Tá bom, vai...
Silvia: -Eu seio filho, mamãe entende. Seio que você leva uma vida muito sacrificada, queria que fosse diferente, que você tivesse uma vida melhor, mas nossa realidade é bem diferente da que desejamos, e é por isso que temos de lutar, por nossa sobrevivência e por uma vida melhor, por um futuro mais decente pra você.
Marimba: -Se depender de mim... Eu posso até sair mais cedo e voltar mais tarde...
Silvia: -Você já faz demais filho... Me corta o coração vê você descer este morro com essa caixa nas costa... Me sinto triste por não poder te dar uma vida melhor, uma casa bonita, confortável... comida boa, roupas novas e bacanas, uma escola onde você pudesse ser importante, igual aos filhos dessas gente rica de nariz empinado...
Marimba: -Deus me livre, isso é coisa de boiola!
Silvia: -Que nada! Diz que você não queria ter assim um monte de brinquedos...
Marimba: -Um vídeo game!...
Silvia: -É... Eu gostaria de ter condições de te dá tudo isso, mas não posso!
Marimba: -Mãe eu posso não Ter tudo isso que a senhora falou, mas eu tenho você e ter você já é ter tudo!
Silvia: - Ah filho! ( abraça )
Marimba: -Prepara a roupa que eu levo.
Silvia: -Vá filho toma teu banho! ( Ele sai )
( Entra Paulão com uma garrafa de pinga )
Paulão: -Olhaqui miguinha, você fica aqui bem quetinha viu?! Ô mais não faz barulho se não ela te vê e aí o bicho pega, ouviu? Ó... eu volto já, fica aí! Não sai daí. Escuta, Cá entre nois dois, ela morre de ciúme de você, é... Você rir?! É sério. Verdade, verdadeira... Eu juro! Ciúmes de você, onde já se viu, é mole ou quer mais? Fica aí. ( entra ) - Onde está minha neguinha ?!
Silvia: Te afasta de mim Paulão...
Paulão: -Ô neguinha o que é?! Eu, eu tô crente que vou chegar em casa e te encontrar preparada par um cut-cut maneiro,... o que encontro? Umas geladeira!
Silvia: -Antes tivesse naiscido uma geladeira, quem sabe sofreria menos.
Paulão: -Num começa com a ladainha...
Silvia: -Pensei que ia morar no botequim do gordo!
Paulão: -Ô meu São Jorge guerreiro, Lá vem...
Silvia: -Lá vem o quê? Enquanto você vem com essa porcaria dessas micharias de biscaites e enche o rabo do gordo lá no boteco dele, enchendo a cara de cachaça falta tudo aqui.
Paulão: -Paciência mulher, paciência!
Silvia: -Paciência tem limite e a minha está chegando ao fim.
Paulão: O que você tá querendo dizer?
Silvia: -Que estou farta! É isso que quero dizer.
Paulão: -Vai par zona é?
Silvia: -É quem sabe se no Bola Branca ou até mesmo na praça quinze eu sou mais valorizada do aqui!
Paulão: -Vai, vai mas não volte nunca mais. Por que se voltar eu te mato, ouviu? ( segura com violência )
Silvia: -Por que será que todo cu de cana é macho, é valente, mas só em casa. Bando de covardes só batem em mulheres...
Paulão: -Por que as mulheres são atrevidas! Enchem o saco, nossa paciência. Tô com fome, bota comida...
Silvia: -Tá com fome é?
Paulão: -Que pergunta mais idiota! Claro que tô.
Silvia: -Come o prato Paulão!
Paulão: -Num provoca mulhê , tô com a peste no coro.
Silvia: -Tá é com cachaça no quengo...
Paulão: -Num tô legal!
Silvia: -Quem Não está nada legal sou eu...
Paulão: -Dias melhor vem aí mulhê, esquenta a cabeça não. Amanha um novo dia!
Silvia: -Só se for pra você. Par mim vai ser mais um dia como os outros. Vou acordar cedo lavar e passar roupas dos outros, depois vou descer o morro pra fazer fachina nas casa das madames, enquanto meu marido enche a cara...
Paulão: -Pode parar... ( Entra Marimba ) Já disse dias melhor virão...
Silvia: -Ah, é?! Por que vai ganhar no bicho é?
Paulão: -Taí, uma boa idéia! Quem sabe?!
Silvia: -Se ao invés de beber jogasse, quem sabe?!
Paulão: -Pode parar...
Marimba: -Mãe o que é a mistura?
Silvia: -A de sempre. Disco voador, zoião...
Marimba: -Ovo de novo?!
Silvia: -E dê graças á Deus, pelo menos temos ovo, do jeito que as coisas estão indo se melhorá estraga... ( liga o radinho fla x flu ) pra muitos ovo frito é banquete...
Paulão: -Cala boca moleque, não tá vendo que eu tô ouvindo o rádio?!
Marimba: -Eu nem abrí a boca, num disse nada!
Paulão: -Nem é pra falar, tua voz me irrita.
Silvia: -É um cavalo mesmo, ignorante, estúpido, trata o filho feito cachorro! ( resmunga) Pobre do meu filho, sai de madrugada morro a baixo, com aquela caixa de engraxar nas costas, par arrumar uns trocados, me ajudar, se hoje tem ovo e arroz, foi graças a ele viu...
Paulão: -Você acha que eu tenho culpa não é? Acha que sou culpado pra essa merda de vida ( a segura com violência ).
Silvia: -Me solta... Você está me machucano paulão!
Paulão: -É você acha que eu tenho culpa por essa porcaria de vida.
Marimba: -Por favor não briguem...
Paulão: -Cala boca seu mariquinha!
Silvia: -Ele é mais homem que você, pelo menos tem respossabilidade!
Paulão: -Sua vaca vadia...
Silvia: -Vem me bater, tu não é macho... ( pega a frigideira ) me bate eu dou parte de você na polícia seu porco maldito....
Marimba: -Não pai...
Paulão: ( Tira o cinto ) vai dá parte de mim sua vagabunda?!
Silvia: -Encosta em mim seu bebado infeliz...
Marimba: -Para mãe...
Paulão: -Sua piranha... ( torce o braço dela )
Marimba: -Solta minha mãe.
Paulão: -Seu filho da puta... ( Empurra o menino e parte para bater nele )
Silvia: -No meu filho não...
Paulão: -Ah é assim?!
Marimba: -Solta minha mãe!
Paulão: -Sai daqui moleque.
Marimba: -Socorro! Socorro!
Silvia: -Me solta seu monstro, vagabundo, você está me machucando!
Paulão : -( mobilizando ) Você que pediu!
Marimba: - (Parte para cima dele ) Nããããããão!!!!!
Paulão: -Sai da frente moleque! ( Empurra )
( Marimba caído ao chão ouve os gritos da mãe )

Segundo ato

( Central do Brasil )
Marimba: -Graxa aí moço?! Aí tio, graxa?! Toco sambinha maneiro, com a flanela!
Gustavo: -Não filho, obrigado! ( Lendo jornal )
Marimba: -Aí tio, engraxa aí vai, só pra me ajudar.
Gustavo: -Não filho obrigado!
Marimba: -Então escova aí vai. Só pra descolar meu café.
Gustavo: -Será possível?! Estou tentando lê... Será que nem ao menos podemos, ou temos o direito de ler nosso jornal em paz? Você me dá licença ou preciso chamar á polícia?
Marimba: -Chamar a polícia? As pessoas nos trata como: pivete, moleque, marginal... É como que se torcessem pra que chegamos a este ponto. Estou aqui com essa caixa de engraxar tentando ganhar a vida honestamente para ajudar minha mãe a sustentar a casa. E me vem o senhor me dizer que vai chamar a polícia como se eu fosse um bandido?! Olha tio se um dia o senhor me encontrar batendo carteira, fique sabendo que o senhor também contribuiu com isto. Agora me diga que culpa tenho eu de ter nascido pobre, tenho culpa se meus pais não são ricos? Olha tio, a única escola que eu conheço é a escola da vida... Está que começa as quatro da matina e termina as dez da noite.
Gustavo: -Menino... Espere. Acho que mudei de idéia... Meus sapatos estão meio empuerados...
Marimba: ( agacha )
Gustavo: -Capricha!
Marimba: -Sim senhor.
Gustavo: -O que seu pais fazem?
Marimba: -Por que quer saber?
Gustavo: -Você me parece transtornado...
Marimba: ( Guarda o material )
Gustavo: -Ei?! Que foi?
Marimba: -Pensa que sou bobo? Já saquei, o senhor pensa que não tenho pais e quer me levar para FUNABEM.
Gustavo: Não. Acredite! Só quero conversar.
Marimba: -Preciso trabalhar...
Gustavo: -Eu quero ajudar...
Marimba: -Não pode me ajudar.
Gustavo: -Como sabe?
Marimba: -Por que me ajudaria?
Gustavo: -Por que fiz um julgamento precipitado, quem sabe? Você disse que estava com fome.
Marimba: -Não menti.
Gustavo: -Me dá uma chance... Quem sabe posso ajudá-lo?!
Marimba: -Preciso trabalhar, minha mãe precisa de mim.
Gustavo: -E seu pai?
Marimba: -Não tenho.
Gustavo: -E sua mãe, o que faz?
Marimba: -Lava roupas pra fora e faz diárias em casa de família.
Gustavo: -Me desculpe por minha incompreensão. As vezes a vida nos impede de enchergar a realidade que está bem na frente do nosso nariz, nos fazendo assim agir de maneira grotesca e egoísta. Mas você me parece um bom menino. Um garoto de fibra e de muita coragem. Admiro esta qualidade nas pessoas. Como se chama?
Marimba: -Marimba, quero dizer Paulo, só que todos me conhecem como Marimba!
Gustavo: -Marimba( Rir ) é um apelidio curioso.
Marimba: -Os moleques me colocaram esse apelídio por que eu gostava de soltar pipa e cruzar marimba...
Gustavo: -Interessante. Você gostaria de deixar de engraxar sapatos?
Marimba: -Não posso, minha mãe precisa de mim.
Gustavo: -Se você estudasse...
Marimba: -Passaríamos fome. Ainda mais com o bebado...
Gustavo: -Bebado...
Marimba: -... do meu pai que só faz maltratar agente...
Gustavo: -Poderia ajudar...
Marimba: -Não vejo como.
Gustavo: -Sou advogado...
Marimba: -E daí?
Gustavo: -Também tenho um supermercado e poderia dar emprego a sua mãe e quem sabe seu pai...
Marimba: -Não, ele só estragaria tudo.
Gustavo: -As vezes as pessoas só precisam de uma chance. Quem sabe esse não é o caso do seu pai?
Marimba: -Não sei, não.
Gustavo: -Você me apresenta a seus pais e veremos o que podemos fazer. Certo?
Marimba: - (pensativo) Certo!
Gustavo: -Estou lhe dando uma chance, agora só depende de você...
Marimba: -Não vou lhe decepcionar.
Gustavo: -Amigos? (estende a mão)
Marimba: -Amigos! (aperta firme)

F I M

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado! Sua opinião é muito importante.

fevereiro 02, 2011

O PEQUENO ENGRAXATE (Texto de Teatro)

Nenhum comentário
O PEQUENO ENGRAXATE
De: Marcondys França

Personagens: Elenco:
Silvia ..................................................................Neide Lins
Paulão.........................................................Marcondys França
Marimba..............................................................Ivan Dellon
Gustavo........................................................Marcondys França

Primeiro ato
Cenário: Barraco num morro carioca, Silvia entra com uma trouxa de roupas na cabeça.

Silvia: -Marimba!... Marimba?!...Vem cá moleque.
Marimba:( Entra com uma pipa ) -Tá chamando mãe?!
Silvia: -Tá surdo moleque? Mais que isso? Olha que imundísse! Já pro banho.
Anda logo menino, se aveche, viu?
Marimba: -Por que?!
Silvia: -Você vai levar esta lavagem na casa da dona conceição.
Marimba: -Ah, mãe! Tô cansado.
Silvia: -E eu Não?!
Marimba: -Cheguei qualse agora da Central.
Silvia: -Eu sei meu filho. Mas faz isso pra tua mãe... Você sabe que não podemos contar com o traste do teu pai pra nada. Filho, só posso contar com você!
Marimba: -Tá bom mãe! Tá bom, vai...
Silvia: -Eu seio filho, mamãe entende. Seio que você leva uma vida muito sacrificada, queria que fosse diferente, que você tivesse uma vida melhor, mas nossa realidade é bem diferente da que desejamos, e é por isso que temos de lutar, por nossa sobrevivência e por uma vida melhor, por um futuro mais decente pra você.
Marimba: -Se depender de mim... Eu posso até sair mais cedo e voltar mais tarde...
Silvia: -Você já faz demais filho... Me corta o coração vê você descer este morro com essa caixa nas costa... Me sinto triste por não poder te dar uma vida melhor, uma casa bonita, confortável... comida boa, roupas novas e bacanas, uma escola onde você pudesse ser importante, igual aos filhos dessas gente rica de nariz empinado...
Marimba: -Deus me livre, isso é coisa de boiola!
Silvia: -Que nada! Diz que você não queria ter assim um monte de brinquedos...
Marimba: -Um vídeo game!...
Silvia: -É... Eu gostaria de ter condições de te dá tudo isso, mas não posso!
Marimba: -Mãe eu posso não Ter tudo isso que a senhora falou, mas eu tenho você e ter você já é ter tudo!
Silvia: - Ah filho! ( abraça )
Marimba: -Prepara a roupa que eu levo.
Silvia: -Vá filho toma teu banho! ( Ele sai )
( Entra Paulão com uma garrafa de pinga )
Paulão: -Olhaqui miguinha, você fica aqui bem quetinha viu?! Ô mais não faz barulho se não ela te vê e aí o bicho pega, ouviu? Ó... eu volto já, fica aí! Não sai daí. Escuta, Cá entre nois dois, ela morre de ciúme de você, é... Você rir?! É sério. Verdade, verdadeira... Eu juro! Ciúmes de você, onde já se viu, é mole ou quer mais? Fica aí. ( entra ) - Onde está minha neguinha ?!
Silvia: Te afasta de mim Paulão...
Paulão: -Ô neguinha o que é?! Eu, eu tô crente que vou chegar em casa e te encontrar preparada par um cut-cut maneiro,... o que encontro? Umas geladeira!
Silvia: -Antes tivesse naiscido uma geladeira, quem sabe sofreria menos.
Paulão: -Num começa com a ladainha...
Silvia: -Pensei que ia morar no botequim do gordo!
Paulão: -Ô meu São Jorge guerreiro, Lá vem...
Silvia: -Lá vem o quê? Enquanto você vem com essa porcaria dessas micharias de biscaites e enche o rabo do gordo lá no boteco dele, enchendo a cara de cachaça falta tudo aqui.
Paulão: -Paciência mulher, paciência!
Silvia: -Paciência tem limite e a minha está chegando ao fim.
Paulão: O que você tá querendo dizer?
Silvia: -Que estou farta! É isso que quero dizer.
Paulão: -Vai par zona é?
Silvia: -É quem sabe se no Bola Branca ou até mesmo na praça quinze eu sou mais valorizada do aqui!
Paulão: -Vai, vai mas não volte nunca mais. Por que se voltar eu te mato, ouviu? ( segura com violência )
Silvia: -Por que será que todo cu de cana é macho, é valente, mas só em casa. Bando de covardes só batem em mulheres...
Paulão: -Por que as mulheres são atrevidas! Enchem o saco, nossa paciência. Tô com fome, bota comida...
Silvia: -Tá com fome é?
Paulão: -Que pergunta mais idiota! Claro que tô.
Silvia: -Come o prato Paulão!
Paulão: -Num provoca mulhê , tô com a peste no coro.
Silvia: -Tá é com cachaça no quengo...
Paulão: -Num tô legal!
Silvia: -Quem Não está nada legal sou eu...
Paulão: -Dias melhor vem aí mulhê, esquenta a cabeça não. Amanha um novo dia!
Silvia: -Só se for pra você. Par mim vai ser mais um dia como os outros. Vou acordar cedo lavar e passar roupas dos outros, depois vou descer o morro pra fazer fachina nas casa das madames, enquanto meu marido enche a cara...
Paulão: -Pode parar... ( Entra Marimba ) Já disse dias melhor virão...
Silvia: -Ah, é?! Por que vai ganhar no bicho é?
Paulão: -Taí, uma boa idéia! Quem sabe?!
Silvia: -Se ao invés de beber jogasse, quem sabe?!
Paulão: -Pode parar...
Marimba: -Mãe o que é a mistura?
Silvia: -A de sempre. Disco voador, zoião...
Marimba: -Ovo de novo?!
Silvia: -E dê graças á Deus, pelo menos temos ovo, do jeito que as coisas estão indo se melhorá estraga... ( liga o radinho fla x flu ) pra muitos ovo frito é banquete...
Paulão: -Cala boca moleque, não tá vendo que eu tô ouvindo o rádio?!
Marimba: -Eu nem abrí a boca, num disse nada!
Paulão: -Nem é pra falar, tua voz me irrita.
Silvia: -É um cavalo mesmo, ignorante, estúpido, trata o filho feito cachorro! ( resmunga) Pobre do meu filho, sai de madrugada morro a baixo, com aquela caixa de engraxar nas costas, par arrumar uns trocados, me ajudar, se hoje tem ovo e arroz, foi graças a ele viu...
Paulão: -Você acha que eu tenho culpa não é? Acha que sou culpado pra essa merda de vida ( a segura com violência ).
Silvia: -Me solta... Você está me machucano paulão!
Paulão: -É você acha que eu tenho culpa por essa porcaria de vida.
Marimba: -Por favor não briguem...
Paulão: -Cala boca seu mariquinha!
Silvia: -Ele é mais homem que você, pelo menos tem respossabilidade!
Paulão: -Sua vaca vadia...
Silvia: -Vem me bater, tu não é macho... ( pega a frigideira ) me bate eu dou parte de você na polícia seu porco maldito....
Marimba: -Não pai...
Paulão: ( Tira o cinto ) vai dá parte de mim sua vagabunda?!
Silvia: -Encosta em mim seu bebado infeliz...
Marimba: -Para mãe...
Paulão: -Sua piranha... ( torce o braço dela )
Marimba: -Solta minha mãe.
Paulão: -Seu filho da puta... ( Empurra o menino e parte para bater nele )
Silvia: -No meu filho não...
Paulão: -Ah é assim?!
Marimba: -Solta minha mãe!
Paulão: -Sai daqui moleque.
Marimba: -Socorro! Socorro!
Silvia: -Me solta seu monstro, vagabundo, você está me machucando!
Paulão : -( mobilizando ) Você que pediu!
Marimba: - (Parte para cima dele ) Nããããããão!!!!!
Paulão: -Sai da frente moleque! ( Empurra )
( Marimba caído ao chão ouve os gritos da mãe )

Segundo ato

( Central do Brasil )
Marimba: -Graxa aí moço?! Aí tio, graxa?! Toco sambinha maneiro, com a flanela!
Gustavo: -Não filho, obrigado! ( Lendo jornal )
Marimba: -Aí tio, engraxa aí vai, só pra me ajudar.
Gustavo: -Não filho obrigado!
Marimba: -Então escova aí vai. Só pra descolar meu café.
Gustavo: -Será possível?! Estou tentando lê... Será que nem ao menos podemos, ou temos o direito de ler nosso jornal em paz? Você me dá licença ou preciso chamar á polícia?
Marimba: -Chamar a polícia? As pessoas nos trata como: pivete, moleque, marginal... É como que se torcessem pra que chegamos a este ponto. Estou aqui com essa caixa de engraxar tentando ganhar a vida honestamente para ajudar minha mãe a sustentar a casa. E me vem o senhor me dizer que vai chamar a polícia como se eu fosse um bandido?! Olha tio se um dia o senhor me encontrar batendo carteira, fique sabendo que o senhor também contribuiu com isto. Agora me diga que culpa tenho eu de ter nascido pobre, tenho culpa se meus pais não são ricos? Olha tio, a única escola que eu conheço é a escola da vida... Está que começa as quatro da matina e termina as dez da noite.
Gustavo: -Menino... Espere. Acho que mudei de idéia... Meus sapatos estão meio empuerados...
Marimba: ( agacha )
Gustavo: -Capricha!
Marimba: -Sim senhor.
Gustavo: -O que seu pais fazem?
Marimba: -Por que quer saber?
Gustavo: -Você me parece transtornado...
Marimba: ( Guarda o material )
Gustavo: -Ei?! Que foi?
Marimba: -Pensa que sou bobo? Já saquei, o senhor pensa que não tenho pais e quer me levar para FUNABEM.
Gustavo: Não. Acredite! Só quero conversar.
Marimba: -Preciso trabalhar...
Gustavo: -Eu quero ajudar...
Marimba: -Não pode me ajudar.
Gustavo: -Como sabe?
Marimba: -Por que me ajudaria?
Gustavo: -Por que fiz um julgamento precipitado, quem sabe? Você disse que estava com fome.
Marimba: -Não menti.
Gustavo: -Me dá uma chance... Quem sabe posso ajudá-lo?!
Marimba: -Preciso trabalhar, minha mãe precisa de mim.
Gustavo: -E seu pai?
Marimba: -Não tenho.
Gustavo: -E sua mãe, o que faz?
Marimba: -Lava roupas pra fora e faz diárias em casa de família.
Gustavo: -Me desculpe por minha incompreensão. As vezes a vida nos impede de enchergar a realidade que está bem na frente do nosso nariz, nos fazendo assim agir de maneira grotesca e egoísta. Mas você me parece um bom menino. Um garoto de fibra e de muita coragem. Admiro esta qualidade nas pessoas. Como se chama?
Marimba: -Marimba, quero dizer Paulo, só que todos me conhecem como Marimba!
Gustavo: -Marimba( Rir ) é um apelidio curioso.
Marimba: -Os moleques me colocaram esse apelídio por que eu gostava de soltar pipa e cruzar marimba...
Gustavo: -Interessante. Você gostaria de deixar de engraxar sapatos?
Marimba: -Não posso, minha mãe precisa de mim.
Gustavo: -Se você estudasse...
Marimba: -Passaríamos fome. Ainda mais com o bebado...
Gustavo: -Bebado...
Marimba: -... do meu pai que só faz maltratar agente...
Gustavo: -Poderia ajudar...
Marimba: -Não vejo como.
Gustavo: -Sou advogado...
Marimba: -E daí?
Gustavo: -Também tenho um supermercado e poderia dar emprego a sua mãe e quem sabe seu pai...
Marimba: -Não, ele só estragaria tudo.
Gustavo: -As vezes as pessoas só precisam de uma chance. Quem sabe esse não é o caso do seu pai?
Marimba: -Não sei, não.
Gustavo: -Você me apresenta a seus pais e veremos o que podemos fazer. Certo?
Marimba: - (pensativo) Certo!
Gustavo: -Estou lhe dando uma chance, agora só depende de você...
Marimba: -Não vou lhe decepcionar.
Gustavo: -Amigos? (estende a mão)
Marimba: -Amigos! (aperta firme)

F I M

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Obrigado! Sua opinião é muito importante.

PESQUISE NESTE BLOG:

Carregando...
Marcondys França. Tecnologia do Blogger.

About Me

Minha foto
Sou o que sou, não o que esperam de mim... Se esperam é por que não me aceitam como sou. Se não me aceitam não há razão para que eu seja.

Labels

1º maio 2014 24 anos a encalhada A Grande Viagem A Mulher do Prefeito a paixão de cristo a pilula falante achado africa AGOSTO 2011 agradecimento ah AIDS album de fotos album de fotos 2013 alexa algo em comum algum de fotos AMOR amor a vida amor em preto e branco aniversario aniversário ano novo ANOS VINTE anália aparecida apoteose aprendizado apresentação arte ARTESANATO artigo arvore arvore de natal ato 2 ATO 4 ATO I ATO I CENA I E II ATO II ATO II - CENA II ATO II -CENA III ATO II CENA X e XII) ATO II – CENA VIII e IX ATO III ato III cena VIII à XII Ato III cena xII ATO IV Cena X e XI) ATO IV-Cenas XII a XIII AtoII - Cena VIII) AtoII-Cena VII ATORES.FIGURANTES atriz atuação AULA 1 AULA 2 AULA 3 aulas autor teatral autorização avalon BABA BABY bailarina bala perdida balharina balão balões banco do brasil bandeirantes Barne bastidores BETH E LOW BIANCA GOMES bibliografia biblioteca Bienal 2010 bilhete book bordado BRINCADEIRA BRINCADEIRAS brincar BRINQUEDOTECA bruxas Budismo bullying cachorro caipira caixa de brinquedos calada calando do agreste calango do agreste CALENDARIO CALENDÁRIO camila gomes campanha candomblé canto capa de revista carater carimbó carnaval carreira carreira. carrocel carta cartaz CARTINHAS cartão casamento cauê CCA cca são benedito cego cegos cena 1 cena 2 cena 3 cena 4 cena 5 cena 6 cena 7 cena 8 cena 9 Cena III Cena IV cena mentingos CENA V CENA XI cenografia centro cultural cenários chaiévelin CHAPLIM chiquititas cia gambiarra cultural cibenética CICATRIZES cinema circo circo mambembe circo teatro circoteatro CITAÇÃO CLOWN colação de grau coleta seletiva comemoração comercial comédia comédia e tragédia concerto concurso confraternização conscientização construção da personagem contação de história CONTO CONTOS convite copacabana cor coral CORAÇÃO DELACERADO CORRENTES RELIGIOSAS cpca cpca são benedito criatividade CRISTIANISMO cristo cronograma crueldade cuca culto cultura jovem curriculo artístico curta curumim câmera escondida cão DANÇA datas comemorativas de volta pra casa defesa animal defesa dos animais deficiência visual Denise Fraga depoimento desejo desenho desfile despedida deuses gregos DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA dia das mães Dia do Trabalho DIA DOS PAIS dia dos professores DICIONÁRIO DO TEATRO didática direito direito de viver discriminação diversidade dogma DOI DONA FANTASMA drama drama. DRAMATIZAÇÃO dramaturgia drogas DUBLAGEM Durkheim eatro ecologia educadora educadores educar educação educação ambiental educação infantil ele é o cara ELEIÇÃO elenco eles seguiram a estrela em busca do caminho em nome do pai emef armando arruda pereira emili emprego emília encahadas enchente encontrado energia ensaio ensaio sobre dramaturgia entrando numa fria entrevista enxurrada Episódio 1: A DESCONFIANÇA equipe escola escrita esculturas ESSE CORPO MORENO ESTAGIO EM GESTÃO estagio supervisionado estreia estréia ESTUDO ESTUDO SOBRE RELIGIÃO ESTÁGIO ewerton ex aluno exposição expressão corporal fabula família fantama fantaminha fantasia FANTASMA FANTASMINHA faustão ferias ferrados festa festa da primavera festa da primavera 2011 festa das nações festa junina fica comigo figurinos filme FILME CALANGO DO AGRESTE filmes filosofia fim de ano FINAL) folia folia do coração formando Formatura formação acadêmica forte forte de copacabana fotonovela fotos fotos frases FOTOS TEATRO frases prontas frases prontas.fotos frases funcionários furto fuzuê férias GALERIA DE FOTO galeria de fotos GATA gato globo graese gravação grupo temporá halloween HINDUÍSMO historia história história de vida homem do campo homenagem humor igualdade IMAGINAÇÃO inclusão indio infantil informativo infância instrumento interdisciplinar ipanema Islamismo islã itau itaú cultural jabaquara jardim botânico jesus jovem jr JUDAÍMO JULIANO CAZARRÉ JULIETA juntos jura que me ama juvenil lei Lei regula os direitos autorais leila monteiro LEMBRO-ME leme LENDA lingua lixo LIÇÃO DE VIDA LIÇÃO DE VIDA (CENA III E IV) LIÇÃO DE VIDA (CENA IX E X) LIÇÃO DE VIDA (CENA V E VI) LIÇÃO DE VIDA (CENA VII E VIII) LIÇÃO DE VIDA (CENA XIV E XV) LIÇÃO DE VIDA CENA FINAL lobato Louis Braille lugar de lixo é no lixo lágrimas LÚCIA PABLO maldito maquiagem marcas do que se foi marcondys marcondys frança maria clara machado MARIBEL MARINHEIROS mateus MATEUS SOLANO me ame ME TROCAS MENINO DE RUA meninos de rua mestres meu nego meu pai MEU PÉS mimi mito.fé mitologia MITOLOGIA GREGA-ROMANA MODELOS momento monologo MONTAGEM monteiro moral morte mosaico mostra museu do circo museu do futebol museu do gás muçulmana mãe MÃE EMPRE MÃE 2008 MÃE EMPRE MÃE 2009 mãe sempre mãe música narizinho nastácia NATAL natureza nazareno NEGO.POESIA negro nelson rodrigues NOITE noites frias de inverno notícia novela não não amaras Não Chores Palhaço‏‏ não me abandones NÃO SE VÁ números circo o anel magico o anel mágico O BRINCAR o corpo o corpo ato IV cena I a V o corpo ato IV cena VI a IX o desejo O Jovem e as Drogas" o pequeno engraxate o principe e a s plebeia o rapto do papai noel o verdadeiro sentido do natal observação oficina oficina de teatro oficineiros operação planeta orientação orquesta OUTUBRO 2011 pai pais paixão palestra palhaço PALHAÇOS PAOLA OLIVEIRA papai noel Paraolimpíadas Paraty-Rio de Janeiro paraíso participação Participação no Programa Legendários pascoa passeio Peca teatral PECADO PEDAGOGICO pedrinho PEDRO & BIANCA pegadinha PENSAMENTOS perdido PERDÃO perfil do docente PERNA DE PAU personagens pesquisa peça peça de teatro peça infantil peças Piaget pintura PIRAMO E TISBE pluft plástica poema poema poesia poemas poesia POESIAS POLITEÍSTA polivalente POR QUE AGE ASSIM? PORTIFÓRIO portuguesa PREPARAÇÃO DE ATORES PREPARAÇÃO DE ELENCO presentes PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PREVENÇÃO primavera primavera 2011 primeiro ato princesas professores PROGRAMA DO GUGU programa do ratinho PROGRAMA SILVIO SANTOS projeto projeto lê propaganda proposta psicologia páscoa pânico pânico na band pão de açuca pós graduação quadrilha quadrinhos qualidade quem sou RACISMO radesco rainha rainha do carnaval 2012 rapto rato reciclagem recompensa RECORD rede globo reflexão regina duarte REGISTRO EM ESTÁGIO EM ONG registros rei relatorio final religião RELIGIÕES POLITEÍSTA restropectiva RESUMO RETROSPECTIVA 2013 rio de janeiro ROBERTA FRANÇA Rodriguianas: Tragédias para Rir ROMEU ROMEU E JULIETA ronald roupa dp imperador réveillon saci salgueirotexto salvador sao benedito sara saudade sbt SE SE FOR ME AMAR segundo ato seleção selção senhoras sequência ser criança serie serra negra - sp SERÁ sesi SETE MINUTOS setembro setembro 2011 sexo sexualidade Shakespeare SHEKESPEARE silencio silvio santos SINHA ANINHA sinhaninha sinopse sitio sociologia soldadinho sonho de verão SONHOS DE UMA NOITE DE VERÃO sophia sorrir e cantar é só começar SUAS CRISES sujeito oculto susana vieira SUZANA VIEIRA são joão são paulo Série sétima arte símbolos sítio também sou teu filho teareo tearo teatro teatro peça circo TEATRO DO SESI TEATRO GREGO teatro infantil teatro.direito teatro.peça teatrólogo gregos televisão temporada 2013 tentativa teste texto Texto de Teatro Texto Teatro texto.teatro.peça trabalho TRAGÉDIA trilha sonora trio eletrico turma tv TV CULTURA tv globo Tv Record uberlandia um filho de coração UM SIMPLES ANÔNIMO VAMOS BRINCAR DE QUE? velhice VERONA viagem vida video violencia violencia sexual violência visconde viver vivi sonhando William XAMANISMO XII E XIII Ágatha árvore é tudo mentira ética Índia